ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Balanço da greve aponta três pontos de forte tensão no País

Tânia Monteiro

Brasília

30/05/2018 19h34

A entrada da cidade de Vilhena, no interior de Rondônia, na BR-364, onde um caminhoneiro morreu atingido por uma pedrada na cabeça, na tarde desta quarta-feira, 30, não é o único ponto tensão no País, neste momento. Há uma grande preocupação das autoridades federais também com a entrada sul de Fortaleza, onde há forte resistência de caminhoneiros e grupos estranhos à categoria e onde as tropas federais ainda não conseguiram chegar. O porto de Santos é outra área considerada "muito delicada", porque envolve, inclusive, uma questão política.

A morte do caminhoneiro - que ainda não teve a identidade divulgada - está sendo investigada pela Polícia Federal. No local não havia tropas do Exército, mas apenas da Polícia Rodoviária Federal. Os bloqueios nesta estrada são inúmeros e muitos focos de tensão foram registrados. O Exército está atuando nesta região, tentando desfazer pontos de bloqueio e organizar o controle de estrada. Mas a tropa mais próxima estava a oito quilômetros do ocorrido.

As primeiras informações são de que o caminhoneiro recebeu, via whatsapp, informe de que a via estava liberada e resolveu sair com seu caminhão. Foi atingido por uma pedrada atirada por alguém que estava em um Gol branco. Mas não se sabe se quem atirou a pedra foi uma pessoa infiltrada na manifestação ou por integrantes do próprio movimento. Tudo está sendo investigado pela Polícia Federal.

Uma nova reunião de avaliação está sendo realizada no Planalto e esta questão será discutida. A informação da reunião é que, momento, o número de pontos de bloqueio é de menos de 400, contra os 616 de ontem. O governo está avaliando que a situação está melhorando em todo o País, embora tenha focos tensos e graves, que serão tratados pontualmente.

No caso de Rondônia, desde a madrugada o governo está fazendo operações na área e conseguiu liberar totalmente o entroncamento de Rondonópolis, considerado crucial por causa do imenso trânsito de caminhões no local. Outro ponto de foco do governo, neste momento, é liberação do corredor de Salvador a Fortaleza, pela BR 101, que tem uma forte paralisação na chegada da capital cearense.

O governo comemorava o fato de já ter liberado a Regis Bittencourt, criando assim três importantes corredores: entre Brasília e São Paulo, São Paulo-Rio e Rio-Brasília.

Um ponto ainda sem solução, mas de especial preocupação para o governo é o porto de Santos. O governo sabe que, mesmo conseguindo abrir caminho até o local, os caminhoneiros têm dedo de fazer as entregas, assim como de entrar para pegar as mercadorias por conta da quantidades de pessoas que trabalham naquele local, considerado uma verdadeira cidade. O governador de São Paulo, Márcio França, estava trabalhando junto com o governo federal para tentar encontrar uma fórmula de liberar o local, sem danos maiores. Há um forte temor de confronto na área e os governos não querem transformar o porto em uma "praça de guerra".

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia