ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Após oficializar Parente, BRF tem dia de perdas

Fabiana Holtz

São Paulo

16/06/2018 08h08

A euforia com a confirmação de Pedro Parente na presidência da BRF durou pouco, diante da rápida deterioração do cenário externo. A ação da companhia chegou a abrir o dia em alta, na esteira da mudança no comando da gigante de alimentos, mas ainda pela manhã o humor dos investidores com a empresa virou e a companhia passou a operar em queda.

No fim do dia, o papel da BRF fechou com recuo de 3,83%, cotada a R$ 20,20. No acumulado de 2018, a companhia acumula desvalorização de 45,16%. Nos últimos 12 meses, a desvalorização supera a marca de 50%.

Segundo relatório da Guide Investimentos, embora a notícia já fosse mais do que esperada, a chegada do executivo, cerca de 15 dias depois de deixar a Petrobrás, é extremamente positiva e deve acelerar o processo de "turnaround" (reestruturação) da companhia, que acumulou prejuízos de mais de R$ 1,5 bilhão em 2016 e 2017 - só no ano passado, as perdas foram de R$ 1,1 bilhão.

Do ano passado para cá, BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, se viu envolvida em uma série de reveses: a Operação Carne Fraca, a ascensão da marca Seara, da rival JBS, e, mais recentemente, uma pesada taxação chinesa para a carne de frango produzida no Brasil.

Do lado da governança, a empresa viu a saída de Abilio Diniz da presidência do conselho - cargo que ele ocupava desde 2013 - para a entrada de Pedro Parente, no fim de abril, ainda antes de o executivo deixar o comando da Petrobrás na esteira da greve dos caminhoneiros, no fim de maio. Com a decisão de Parente de deixar a Petrobrás, ficou aberto o caminho para que ele exercesse o comando executivo da BRF, que estava interinamente nas mãos do executivo Lorival Nogueira Luz.

Reações. Em comentário distribuído a clientes, o time de analistas da XP Investimentos disse que uma nova diretoria deve trazer maior visibilidade sobre a estratégia da companhia.

Para a Guide, "o executivo deverá atuar no planejamento estratégico e financeiro da companhia, liderando o processo de recuperação da BRF, em especial, preenchendo as lacunas chaves e questões relacionadas à governança". A Guide, no entanto, ressalvou que o cenário para 2018 permanece desafiador para a BRF. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais Economia