Bolsas

Câmbio

China e UE formam grupo para modernizar e discutir regras globais de comércio

Niviane Magalhães

São Paulo

A União Europeia (UE) e a China concordaram nesta segunda-feira em formar um grupo de discussões sobre relações econômicas e comerciais com o intuito de abordar políticas tecnológicas, subsídios do governo e outras demandas em uma tentativa de preservar o apoio ao comércio internacional.

Ambas as partes acordaram em trocar o acesso ao mercado na próxima cúpula entre a União Europeia e a China - que acontecerá nos dias 12 e 13 de julho, em Pequim - para dar um impulso político a um ambicioso acordo global sobre investimento entre UE e China, tanto em termos de liberalização do investimento como de proteção.

A UE e a China expressaram em conjunto o apoio ao sistema de comércio multilateral baseado em regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). A UE e a China concordaram em criar um grupo de trabalho para cooperar concretamente na reforma para ajudar a OMC a enfrentar novos desafios e desenvolver novas regras em áreas-chave relevantes para o campo de atuação global, como os subsídios industriais.

O vice-presidente da Comissão Européia, Jyrki Katainen, disse que a ação unilateral do presidente dos EUA, Donald Trump, em disputas sobre o aço, política de tecnologia da China

e outras questões destacaram a necessidade de modernizar as regras da OMC, levando a organização a refletir a evolução da economia mundial.

"Estou confiante de que as trocas que tivemos com o meu novo colega, Liu He [vice-primeiro-ministro da China], serão úteis na preparação do caminho para uma cúpula bem sucedida entre a União Europeia e a China. No campo econômico e comercial, estou particularmente satisfeito com o progresso alcançado em nossas negociações de investimento e aguardo com expectativa a troca de ofertas na cúpula", disse Katainen.

No final do mês passado, Trump aplicou tarifas de 25% sobre aço importado e 10% sobre

alumínio da UE e Canadá, justificando que os metais importados ameaçavam a segurança nacional dos EUA.

Trump também começou uma briga comercial com a China destacando táticas da China de forçar empresas americanas a entregar tecnologia em troca de acesso ao mercado chinês. Neste contexto, a Casa Branca anunciou planos para impor tarifas de 25% sobre US$ 50 bilhões em produtos chineses. Pequim, por outro lado, anunciou retaliação na mesma proporção, levando Trump a ameaçar tarifas em mais US$ 200 bilhões de bens chineses.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos