IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Governo anuncia remanejamento de R$ 3,6 bilhões para atender 5 ministérios

11.abr,2019 - O presidente Jair Bolsonaro durante a cerimônia de celebração dos 100 dias de governo, no Palácio do Planalto, em Brasília - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
11.abr,2019 - O presidente Jair Bolsonaro durante a cerimônia de celebração dos 100 dias de governo, no Palácio do Planalto, em Brasília Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Idiana Tomazelli

Brasília

02/05/2019 20h45

Sob a ameaça de paralisia na máquina pública, o governo fez hoje um remanejamento de R$ 3,6 bilhões para atender a demandas mais urgentes de cinco ministérios que haviam sido afetados pelo corte de quase R$ 30 bilhões no Orçamento. A realocação dos recursos foi feita a partir de um bloqueio adicional no mesmo valor sobre os gastos de 13 órgãos e ministérios. O mais afetado pelo novo aperto foi o Ministério da Educação. Os gastos com saúde, por sua vez, já estão muito próximos do mínimo constitucional e foram preservados.

A medida ocorre após o governo iniciar um mapeamento para identificar quais áreas enfrentarão primeiro o risco de um colapso, como antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, no início da semana. O bloqueio no Orçamento, feito para assegurar o cumprimento da meta, que permite déficit de até R$ 139 bilhões, já impõe uma espécie de "shutdown" (paralisação) branco dos ministérios.

A situação ainda pode piorar e afetar áreas mais sensíveis para a população nos próximos meses porque, até o momento, a área econômica não vê sinal de melhora na arrecadação, algo essencial para dar um "fôlego de sobrevivência" aos órgãos.

O tema tem sido debatido desde a semana passada pelo governo, quando reunião da Junta de Execução Orçamentária (JEO) -- formada pelo Ministério da Economia e pela Casa Civil -- começou a mapear as necessidades mais prementes por recursos.

A portaria editada hoje libera R$ 2 bilhões para a Infraestrutura, após uma promessa do governo a caminhoneiros de que garantiria verba para a reparação de estradas; e R$ 800 milhões para o Desenvolvimento Regional, que pediu o dinheiro para assegurar as despesas do programa habitacional Minha Casa Minha Vida até o meio do ano.

Outros R$ 500 milhões foram destinados ao Ministério da Cidadania. O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, que em recente audiência pública na Câmara disse que a área havia ficado "com a corda no pescoço" após o bloqueio de R$ 2,1 bilhões no fim de março, recebeu de volta R$ 300 milhões. Já a pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos recebeu R$ 3 milhões.

Para conseguir fazer esse remanejamento, o governo precisou apertar ainda mais o cinto em outras áreas. O principal alvo foi o Ministério da Educação, que sofreu um contingenciamento adicional de R$ 1,59 bilhão, elevando o bloqueio total a R$ 7,4 bilhões. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, chegou a anunciar que o corte seria aplicado a universidades federais que promovessem "balbúrdia", mas depois recuou e disse que a contenção dos gastos será linear a todas as instituições de ensino.

Outras áreas que sofreram cortes adicionais foram Defesa (R$ 725,4 milhões), Economia (R$ 487,2 milhões), Justiça (R$ 267,5 milhões) e Agricultura (R$ 145,6 milhões).

O governo poderia ter evitado o novo bloqueio e usado a reserva de contingência de R$ 5,4 bilhões para fazer a liberação do dinheiro. Mas, como antecipou o Broadcast, a avaliação da área econômica é que ainda é cedo para recorrer a esse "seguro", uma vez que novas avaliações do Orçamento podem indicar mais frustração nas receitas para 2019.

Um dos riscos é se o Brasil crescer menos que os 2,2% esperados pelo governo. As projeções de mercado estão derretendo a cada semana e já estão na média de 1,7%. Quando o País cresce menos, isso acaba tendo reflexos na arrecadação de tributos.

Em nota, a Secretaria Especial de Fazenda esclareceu que o quadro fiscal ainda não foi reavaliado desde a publicação do decreto do fim de março, por isso a necessidade da portaria que remaneja os recursos. "No final de maio haverá nova reavaliação das receitas e despesas primárias, quando se poderá verificar a situação fiscal de forma geral", informou o órgão.

Brasil gasta com Previdência dez vezes o que gasta com educação, diz Guedes

UOL Notícias