IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Juros


Poupança: juro baixo não influencia investidor com renda de até R$ 10 mil

Dinheiro; finanças; economia; economizar; poupança - Getty Images/iStockphoto
Dinheiro; finanças; economia; economizar; poupança Imagem: Getty Images/iStockphoto

Talita Nascimento

Do Estadão Conteúdo

12/08/2019 07h39

Prevendo cenário econômico de melhora lenta, porém contínua, José Ramos Rocha Neto, presidente do Fórum de Distribuição da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), diz que os investidores do varejo tradicional, aqueles cuja renda mensal é de até R$ 10 mil, seguirão com a poupança em primeiro plano.

Em entrevista, ele aponta caminhos para que a poupança de renda fixa volte a crescer nas aplicações dos brasileiros. "Não há sinais de que teremos uma grande explosão na atividade econômica, o que é positivo."

Como o cenário econômico deve interferir no mercado financeiro?

Estamos animados. Além de pequenas melhoras em indicadores, a liberação do FGTS vai ajudar. Não vai ser uma pancada grande, como foi da vez passada (em 2017, o ex-presidente Michel Temer autorizou a retirada total dos recursos das contas inativas, o que injetou R$ 44 bilhões na economia), mas vai ter um 'pingadinho'. Isso vai empurrando o consumo. Gera riqueza e um pedaço dela é guardada é espalhada entre os investimentos. Não temos sinais de que teremos uma grande explosão e, na minha visão, isso é positivo. A gente teve no passado grandes crescimentos na economia que viraram voo de galinha. Prefiro que cresçamos em mais tempo, com resistência.

O que mais mudou?

Com mais acesso à informação, a alta renda talvez seja o grupo que mais teve mudança de comportamento nos últimos anos. A virada foi afetada pelas plataformas digitais e com o movimento de admissão de risco. O varejo tradicional é menos suscetível a assumir risco.

Migrar direto para ações não é um salto muito grande?

O crescimento da participação da renda variável nas aplicações tem ocorrido de maneira sustentável. Passar da renda fixa para um fundo de renda variável seria a decisão mais conservadora e natural, mas hoje as casas de investimento dão suporte para o cliente. Faz sentido, porém, como um passo intermediário uma passagem pelos fundos.

O volume de investimentos do varejo diminuiu. Por que a porcentagem em poupança subiu?

Na verdade, a carteira da poupança andou de lado. Na caderneta mais de 80% das poupanças têm até R$ 500. Com um tíquete médio baixo, se as pessoas têm alguma necessidade, é natural que recorram ao montante. A poupança é o grande produto nesse segmento, porque é a porta de entrada, um primeiro investimento. Como o tíquete médio é menor, a diferença de juros tem pouco reflexo no valor absoluto de rendimento mensal: com R$ 500 na poupança, por exemplo, uma taxa de 12% ao ano deixaria R$ 5 de rendimento o mês; com 6%, são R$ 2,50 ao mês. No varejo tradicional, a poupança ainda será um grande produto. Os fundos podem vir a ter participação um pouco maior, mas sem a relevância da poupança.

Por que a renda fixa encolheu nas carteiras?

As possibilidades de ganhos estão reduzidas. Mas ativos isentos (de Imposto de Renda), como LCI e LCA, estão mais atrelados ao lastro (imóveis ou agronegócio) do que à rentabilidade. Os isentos são excelentes para quem quer colocar um pedaço do portfólio em renda fixa. Ao longo do tempo eles devem voltar a crescer com a Letra Imobiliária Garantida, que vem ganhando corpo.

Mais Juros