PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Bolsonaro: Com venda direta do etanol, preço pode cair ao menos 20 centavos/litro

A proposta, segundo ele, poderia valer para outros tipos de combustível, como o óleo diesel - MARCELO TEIXEIRA
A proposta, segundo ele, poderia valer para outros tipos de combustível, como o óleo diesel Imagem: MARCELO TEIXEIRA

Julia Lindner

Brasília

16/01/2020 21h50

O presidente Jair Bolsonaro disse, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, que vai apoiar a proposta que permite a venda direta de etanol entre os produtores e postos de combustível. Para isso, ele afirmou que pretende dialogar com os presidentes da Câmara e do Senado para tentar viabilizar no Congresso a revogação de uma resolução da Agência Nacional do Petróleo (ANP) que proíbe a prática.

"Se Deus quiser, nós vamos romper essa barreira (da venda direta de combustíveis) e nossa previsão é de que, com isso, o preço caia pelo menos 20 centavos o litro do etanol, porque isso evita o que a gente chama de passeio do álcool", disse Bolsonaro. A proposta, segundo ele, poderia valer para outros tipos de combustível, como o óleo diesel.

O presidente avaliou que "não tem cabimento" o deslocamento que é feito por caminhões sem a venda direta. "O caminhão sai da refinaria por 100, 200, 300 quilômetros e depois volta para 300 quilômetros para ficar a 10 quilômetros da usina, não tem cabimento isso aí." Além disso, defendeu que o comércio de combustíveis sem intermediários poderia evitar trânsitos e acidentes nas estradas.

Segundo Bolsonaro, ele já conversou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) sobre o tema, e ainda pretende falar com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). "Eles são os donos da pauta (no Congresso)", ponderou o presidente.

Energia solar

Na live, Bolsonaro voltou a falar sobre a sua posição contrária à possibilidade de taxar a energia solar. Para o presidente, "não é justo" alguém que usa painéis solares em casa ou em fazendas ser taxado por isso.

A posição de Bolsonaro sobre o tema vai contra o posicionamento do ministro Paulo Guedes, da Economia, que era a favor de cobrar uma taxa sobre o compartilhamento da energia excedente produzida por usuários que contam com estrutura própria de geração solar fotovoltaica.

Economia