PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Embraer corta 2.500 empregos durante pandemia; sindicato anuncia greve

Lançamento do avião E195-E2, da Embraer  - Ricardo Matsukawa/UOL
Lançamento do avião E195-E2, da Embraer Imagem: Ricardo Matsukawa/UOL

Luciana Dyniewicz e Andre Vieira

04/09/2020 07h11

A Embraer anunciou ontem a demissão de 900 funcionários que trabalham nas unidades da empresa no Brasil. Outros 1.600 aderiram a planos de demissão voluntária —que foram propostos em julho e agosto—, num total de 2.500 desligamentos.

Antes da pandemia, a fabricante de aviões tinha 20 mil empregados, sendo que 16 mil deles operavam no Brasil. No total, 15,6% da mão de obra da companhia no país será desligada. Considerando também as operações internacionais, serão 12,5%.

O tamanho do corte é semelhante ao realizado pelas outras fabricantes de aeronaves em meio à pandemia da covid-19. A americana Boeing já anunciou a demissão de 16 mil funcionários, o equivalente a 15% do total. Na europeia Airbus, foram 15 mil trabalhadores (10%).

Segundo o comunicado da Embraer, as demissões estão relacionadas aos efeitos causados pela pandemia na economia global e pelo cancelamento da venda da divisão de aviação comercial para a Boeing. "O objetivo é assegurar a sustentabilidade da empresa e sua capacidade de engenharia", disse a Embraer em comunicado.

Desde junho, a companhia brasileira vem se reestruturando. Quatro vice-presidentes e vários diretores foram substituídos nos últimos meses. Em julho, o clima já era de tensão entre os engenheiros com a possibilidade de desligamentos.

Antes mesmo da crise decorrente da pandemia, que paralisou o setor aéreo, a empresa já tinha quase metade de seus 5.000 engenheiros parcialmente ociosos, segundo apurou o "Estadão".

Com grandes projetos concluídos recentemente, como os desenvolvimentos do cargueiro militar C-390 Millenium e da família de aviões comerciais E2, a demanda pelo trabalho desses profissionais despencou internamente.

Fim da parceria

A empresa diz que a pandemia afetou em especial suas operações na aviação comercial - alvo do fracassado acordo de venda para a Boeing. No primeiro semestre de 2020, as entregas de aviões apresentaram queda de 75% em relação ao mesmo período do ano passado.

A Embraer admite que a situação se agravou com a duplicação de estruturas para atender à separação da aviação comercial, "em preparação à parceria não concretizada por iniciativa da Boeing, e pela falta de expectativa de recuperação do setor de transporte aéreo no curto e médio prazo".

A Boeing anunciou que havia desistido de comprar parte da Embraer em abril, alegando que a brasileira não havia atendido as condições necessárias para a conclusão do negócio.

A americana, porém, também enfrenta a maior crise de sua história por causa dos efeitos da covid-19 e em função da paralisação das operações com seu principal avião, o 737 MAX, após duas aeronaves do modelo caírem matando centenas de pessoas.

O fim do acordo colocou a Embraer em situação ainda mais delicada durante a pandemia. Isso porque, apenas no ano passado, a brasileira gastou R$ 485,5 milhões para separar a unidade de negócios que iria para a Boeing.

Greve

Ontem, após ser informado das demissões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos organizou uma assembleia diante da sede da Embraer, e os funcionários decidiram entrar em greve.

Anteriormente, empregados haviam denunciado, de forma anônima, ao Ministério Público do Trabalho supostos casos de pressão para aderirem aos planos de demissão voluntária (PDV). A procuradoria deve analisar o caso.

Em nota, a Embraer afirmou que "repudia qualquer tipo de atitude que desrespeite as pessoas" e que a "comunicação do PDV foi feita com transparência e em linha com o Código de Ética e Conduta da empresa".

Sobre a greve dos trabalhadores, informou que as operações continuam normalmente e que deverá responder hoje à proposta apresentada pelo sindicato - que pede cancelamento das demissões, estabilidade no emprego e criação de um teto salarial de R$ 50 mil para executivos da empresa.

A Embraer informou, porém, que os desligamentos anunciados já foram efetivados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado anteriormente na legenda, o avião da foto é do modelo E195-E2, e não E195-E3. A informação já foi corrigida.