PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Conselheira da Petrobras critica forma da demissão de Castello Branco

Conselheira ressaltou que as últimas administrações da Petrobras foram marcadas pela política de preços paritários de importação (PPI) - RICARDO MORAES
Conselheira ressaltou que as últimas administrações da Petrobras foram marcadas pela política de preços paritários de importação (PPI) Imagem: RICARDO MORAES

Denise Luna

Rio

26/02/2021 15h14Atualizada em 26/02/2021 15h29

A conselheira da Petrobras representante dos empregados, Rosângela Buzanelli, criticou em seu blog a forma como foi anunciada a troca do presidente da maior estatal brasileira, mas defendeu que a atual política de preços da companhia seja abandonada, para que a empresa possa ser "redirecionada às suas origens e missão" "pois gostem ou não, a Petrobras é uma empresa brasileira e estatal", afirma.

Dizendo que o Conselho foi surpreendido com o anúncio da troca pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, na sexta-feira,19, e sem abordar sobre quem entra ou quem sai, Buzanelli classificou como "mais um desrespeitoso ato presidencial, típico de alguém sem nenhum preparo para o cargo que ocupa, conforme sistematicamente comprovado pelo cenário socioeconômico, sanitário e político do País", disparou.

A conselheira ressaltou que as últimas administrações da Petrobras foram marcadas pela política de preços paritários de importação (PPI), o que prejudica "desnecessariamente a sociedade brasileira", e pela redução de investimentos da companhia aliada à venda de ativos.

Segundo ela, está havendo uma desintegração vertical e nacional da Petrobras, com a única finalidade de remunerar os acionistas, o que precisa ser mudado.

Voto contrário nas vendas da companhia nas reuniões do Conselho, Buzanelli considera que a estatal tem "um papel social e desenvolvimentista importantíssimo para o País", e que deve exercer esse papel para gerar empregos e garantir o abastecimento do território nacional, "de dimensões continentais, a preços justos", afirma.

"A Petrobras não é dos acionistas, dos fundos de investimentos, ou do governo de plantão. A Petrobras é do Estado brasileiro, do seu povo que lutou pela sua criação, a construiu e a agigantou, alçando-a ao 'podium' (sic) das maiores e melhores do mundo no setor, premiada internacionalmente várias vezes", argumentou a conselheira.

PUBLICIDADE