PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Ipea revisa de 4,6% para 5,3% a projeção para a inflação oficial de 2021

IPCA, que mede a inflação oficial do país, é apurado pelo IBGE -
IPCA, que mede a inflação oficial do país, é apurado pelo IBGE

Daniela Amorim

No Rio de Janeiro

24/05/2021 13h08Atualizada em 24/05/2021 19h11

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revisou a previsão para a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2021, que aumentou de 4,6% para 5,3%.

O índice é apurado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e usado como referência para o sistema de metas de inflação perseguido pelo Banco Central.

"Para a composição desse cenário, estima-se que, mesmo diante da recente aceleração na margem, os preços das commodities não devem subir a níveis significativamente acima dos níveis atuais, o que, junto a um comportamento mais favorável da taxa de câmbio, deve reduzir a pressão sobre os preços domésticos", prevê o Ipea, em nota oficial.

A piora na projeção para o IPCA deste ano foi puxada por uma pressão maior nos aumentos de preços de bens e serviços monitorados pelo governo. O Ipea reviu sua expectativa de alta de preços monitorados de 6,4% para 8,4% em 2021.

Também houve contribuição das revisões de projeções para a inflação dos bens industriais, que passou de 3,8% para 4,3%, e dos serviços livres (exceto educação), que avançaram de 3,6% para 4,0%.

A previsão de aumento nos preços dos alimentos no domicílio em 2021 foi mantida em 5,0%.

O IPCA acumulado em 12 meses alcançou 6,76% em abril, ante uma meta de inflação de 3,75% no ano de 2021, com teto de tolerância de 5,25%.

"Contudo, as projeções indicam recuo na inflação de 12 meses no segundo semestre, uma vez que, nos primeiros meses da pandemia em 2020 houve deflação (tornando a base de comparação baixa) e, no segundo semestre, a significativa aceleração inflacionária aumentou a base de comparação", lembrou o Ipea na Carta de Conjuntura divulgada hoje.

Os pesquisadores revisaram também a previsão do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), de 4,3% para 4,7% em 2021.

"Os riscos para essa previsão de inflação em 2021 estão relacionados às oscilações da taxa de câmbio e dos preços internacionais das commodities, que podem surpreender positiva ou negativamente", avaliou o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Souza Júnior, em nota distribuída à imprensa.