PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

'Nosso trabalho é para atingir a meta', diz presidente do BC sobre inflação

Para Campos Neto, a segunda onda da covid-19 fez com que a confiança de consumidores e empresários na economia caísse - Adriano Machado
Para Campos Neto, a segunda onda da covid-19 fez com que a confiança de consumidores e empresários na economia caísse Imagem: Adriano Machado

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues

Em Brasília

25/05/2021 11h37Atualizada em 25/05/2021 16h38

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, admitiu hoje que as expectativas de inflação seguem subindo bastante. Ele repetiu que a autoridade monetária continua trabalhando pra atingir a meta de inflação.

"Nosso trabalho é para atingir a meta sempre", enfatizou, em participação no BTG Pactual Brasil CEO Conference 2021.

Campos Neto destacou ainda que a segunda onda de covid-19 fez com que confiança de consumidores e empresários caísse novamente no país. "Mas vemos agora a volta da confiança, com começo da reabertura (dos negócios)", completou.

O presidente do Banco Central voltou a destacar que o Brasil está passando por uma nova aceleração de casos de contágio de covid-19, mas ressaltou que a curva de óbitos segue em baixa.

"Tivemos um problema de insumos que fez com que o ritmo de vacinação caísse um pouco. Mas tivemos a notícias de 40 milhões de doses em junho, voltando à trajetória inicial. Temos a chance de recuperar essa distância. Se conseguirmos continuar acelerando (a vacinação) no segundo semestre, teremos uma reabertura mais firme da economia", repetiu.

Ele voltou a dizer que as sucessivas medidas de distanciamento social têm perdido sua relação custo-benefício na contenção da transmissão do novo coronavírus.

"A cada medida de distanciamento social, a mobilidade tende a cair menos. Além disso, a economia está se acostumando com a mobilidade menor, o impacto não é o mesmo que vimos no ano passado", completou.

Antes de Campos Neto, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) participou da abertura do evento.

"O BC nunca faz comentários sobre política, mas me deu um ânimo ver o presidente Lira falando da agenda de reformas, que são importantes para o País", comentou o presidente do BC.