PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Eleição traz mais incerteza para o investidor estrangeiro

Dando como certo o aumento de gastos públicos e a continuidade da turbulência política, os estrangeiros temem um desequilíbrio fiscal e começam a discutir como será 2023 - Marcos Corrêa/PR
Dando como certo o aumento de gastos públicos e a continuidade da turbulência política, os estrangeiros temem um desequilíbrio fiscal e começam a discutir como será 2023 Imagem: Marcos Corrêa/PR

Beatriz Bulla, correspondente

Washington

16/08/2021 18h58Atualizada em 16/08/2021 19h37

Os ataques do presidente Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral são vistos por investidores estrangeiros como o sinal de que a atenção do presidente já está voltada para a eleição de 2022. Isso significa que daqui até outubro do próximo ano as incertezas tendem a aumentar - e os gastos públicos também. Na visão de gestores de fundo e analistas estrangeiros ouvidos pelo Estadão, a agenda liberal prometida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, tende a ficar pressionada conforme o Planalto se volta para a reeleição.

Dando como certo o aumento de gastos públicos e a continuidade da turbulência política, os estrangeiros temem um desequilíbrio fiscal e começam a discutir como será 2023, após a disputa pelo Planalto.

"Os mercados estão acostumados a lidar com o barulho político e olham os dados e ações concretas para saber o que de fato acontecerá após a volatilidade", afirma Martin Castellano, chefe para a América Latina do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). "A incerteza recai mais sobre quem vai ganhar a eleição - e qual será a política em vigor - do que sobre as declarações políticas do presidente a respeito do processo eleitoral."

Para Will Landers, chefe de renda variável da BTG Pactual Asset Management, gestora do banco de mesmo nome, a eleição já entrou no radar. "As pessoas já estão prestando atenção nas eleições, que se pensava que seriam um tema só no ano que vem", diz.

O debate sobre voto impresso e as acusações infundadas de fraude eleitoral não afugentam os investidores, segundo os gestores ouvidos. Eles concordam com Castellano ao dizer que os donos do dinheiro estão habituados às turbulências políticas e ao "barulho" - em especial no governo Bolsonaro. A atenção do presidente ao assunto, no entanto, é vista como uma antecipação da campanha.

Segundo dois nomes da área em Wall Street, as especulações sobre a formação da política econômica dos candidatos mais competitivos já começaram. "Se Bolsonaro ganhar, Paulo Guedes continua? Se Lula ganhar, ele traz um nome do mercado para a sua chapa?", diz uma fonte do mercado.

No primeiro semestre, uma recuperação econômica mais forte no Brasil e a disposição do governo em defender reformas econômicas melhorou o humor de estrangeiros com o País, na comparação com os países da América Latina. Mas julho trouxe más notícias, com fluxo de investimento negativo, e agosto, na leitura do IIF, segue volátil.

A preocupação global com o avanço da variante Delta contribuiu para o saldo negativo do mês passado. No cenário doméstico, a questão fiscal é a mais frágil, diz Castellano. "A agenda de reformas tem muitas idas e vindas. Isso cria uma incerteza significativa", afirma.

Em meio às discussões sobre o Orçamento, precatórios e o novo Bolsa Família, dizem alguns, o Brasil passa a ser visto como um País difícil para investir. Os que ainda estão olhando para o mercado brasileiro dizem que agora o principal temor é uma quebra fiscal de um governo preocupado com a reeleição.

PUBLICIDADE