PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Bolsonaro ignora interesses de Musk e diz que visita não é de negócios

O empresário Elon Musk e o presidente Jair Bolsonaro em encontro no interior de SP - Reprodução/Facebook/Jair Messias Bolsonaro
O empresário Elon Musk e o presidente Jair Bolsonaro em encontro no interior de SP Imagem: Reprodução/Facebook/Jair Messias Bolsonaro

Eduardo Gayer

Brasília

20/05/2022 14h53Atualizada em 20/05/2022 16h12

O presidente da República, Jair Bolsonaro, ignorou os interesses empresariais do bilionário Elon Musk ao visitar o Brasil nesta sexta-feira (20) e afirmou após se encontrar com o dono da Tesla e da Starlink que a visita do empresário é de cortesia, e não de negócios.

Mais cedo, Musk publicou no Twitter seu interesse em vender satélites para o Brasil. "Superanimado por estar no Brasil para o lançamento do Starlink para 19 mil escolas desconectadas em áreas rurais e monitoramento ambiental da Amazônia."

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) deu aval à Starlink para operar satélites de órbita baixa no Brasil, mas a operação ainda não foi iniciada.

Além de Bolsonaro, Musk esteve com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e com o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Bolsonaro ainda renovou afagos ao bilionário. "O que mais nos chamou a atenção foi sua preocupação com a Amazônia de verdade", declarou o presidente, que chamou Musk de "mito da liberdade". "Tanto é que quando você comprou o Twitter muita gente aqui no Brasil foi como se fosse um grito de independência", acrescentou. "Nosso governo trabalhará para encarnar o seu espírito, da importância da liberdade de todos nós."

Simpatizante do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, Musk fechou um acordo para adquirir o Twitter em uma transação avaliada em US$ 44 bilhões. A operação, contudo, está suspensa. Musk já disse que reativará a conta de Trump no Twitter se obtiver o controle da plataforma.

Bolsonaro, que foi eleito com forte presença nas redes sociais em 2018, ainda disse que a "liberdade simbolizada pelo telefone celular" não pode ser calada e reiterou sua admiração pelo povo norte-americano. "Queremos democracia, queremos a liberdade, o respeito", ressaltou ainda o presidente.