IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Projeção do Boletim Focus de Selic no fim de 2023 segue em 11,75%

Fachada da sede do Banco Central, em Brasília - Bacen - Antonio Molina - 11.jan.22/Folhapress
Fachada da sede do Banco Central, em Brasília - Bacen Imagem: Antonio Molina - 11.jan.22/Folhapress

Eduardo Rodrigues

Brasília

19/12/2022 09h11Atualizada em 19/12/2022 09h27

Após altas nas semanas anteriores refletindo os temores com a expansão fiscal planejada pelo governo eleito, o mercado financeiro manteve a projeção para a taxa Selic no fim de 2023 em 11,75% ao ano no Boletim Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 19. Há quatro semanas a taxa esperada era de 11,50%. Considerando apenas as 49 respostas dos últimos cinco dias úteis, a mediana para o fim de 2023 passou de 11,75% para 12,00%.

Para 2024, a projeção subiu de 8,50% para 9,00%, de 8,00% há um mês. Conforme o Boletim Focus, a mediana para a Selic no fim de 2025 permaneceu em 8,00%, mesmo porcentual de quatro semanas antes.

No Comitê de Política Monetária (Copom) de dezembro, o BC manteve pela terceira reunião consecutiva a taxa Selic em 13,75% ao ano. A autoridade monetária também reforçou o alerta fiscal, citando que há "elevada" incerteza sobre o futuro do arcabouço para as contas públicas.

Mas o BC pregou serenidade e sinalizou que vai acompanhar o desenho final da PEC da transição. Por ora, manteve o plano de voo de estabilidade da Selic por período "suficientemente" prolongado, mantendo o aviso de que poderá voltar a subir caso a desinflação não ocorra como o esperado.

Câmbio para 2022 segue em R$ 5,25

O cenário da moeda norte-americana em 2022 não sofreu mudanças nesta semana no Relatório de Mercado Focus. A estimativa para o câmbio este ano continuou em R$ 5,25, enquanto a cotação esperada para 2023 passou de R$ 5,25 para R$ 5,26. Há um mês, as medianas eram de R$ 5,25 e R$ 5,24, respectivamente. Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira, 19.

A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020. Com isso, o BC espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.