IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Fed está mais perto que do que longe, diz dirigente, sobre fim do ciclo de aperto monetário

São Paulo

20/04/2023 15h44

A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Cleveland, Loretta Mester, disse que o banco central está mais perto do que longe de chegar ao fim do ciclo de aperto monetário. "O Fed percorreu um longo caminho no aperto à política monetária", declarou, em coletiva de imprensa nesta quinta.

Loretta Mester disse que o Fed está constantemente avaliando se a política está suficientemente restritiva para levar a inflação de volta à meta de 2% e para garantir um nível sustentável de emprego máximo.

Ela falou ainda que a questão do teto da dívida, em pauta no Congresso dos Estados Unidos, vai estressar a economia e o sistema financeiro se não for resolvida - e que "acredita que será".

Respondendo a perguntas, Loretta Mester afirmou também que o dólar ainda é a moeda de reserva do mundo.

Inflação

A presidente do Federal Reserve de Cleveland disse ainda que a inflação vai diminuir significativamente em 2023 e continuar a cair ao longo dos próximos anos. Ela disse que deverá haver algum aumento no desemprego, mas que a taxa hoje está "insustentavelmente baixa".

Ela acredita que, nesse cenário, os Estados Unidos terão um crescimento bastante lento em 2023, menor que 1%. "Isso faz parte do processo de reajuste da oferta e demanda", afirmou em coletiva de imprensa. Ela disse que, quando há um crescimento tão lento, não precisa de muito para provocar uma contração e derrubar o crescimento para níveis abaixo de 0%.

Mesmo assim, ela descartou a possibilidade de um declínio acentuado, ou pouso forçado, já que a economia americana tem se mostrado "muito resiliente e o mercado de trabalho, muito forte". Ela afirmou que o Fed fará o que for preciso para garantir um pouso suave.

Estresse bancário

A presidente do Federal Reserve de Cleveland afirmou também que o banco central está monitorando e avaliando se a recente turbulência bancária tem levado os bancos a apertarem ainda mais as condições de crédito - o que já havia sido registrado com as altas nas taxas de juros.

Ela disse ainda que o estresse bancário foi uma clássica situação de corrida aos bancos, e que o Fed está preparado para tomar medidas que garantam que o sistema financeiro de maneira geral permanecerá estável.