IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Haddad: Fazenda avalia revisar para cima previsão de crescimento em 2023

São Paulo, 28

28/04/2023 19h11

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta sexta-feira, 28, que a pasta pode revisar para cima a previsão de crescimento econômico neste ano, após citar a surpresa do mercado com o crescimento da atividade na passagem de janeiro para fevereiro.

Depois da agenda de reuniões com empresários das indústrias de cerveja e de higiene pessoal no gabinete do ministério na capital paulista, Haddad disse, em entrevista a jornalistas, que as previsões de mercado ao Produto Interno Bruto (PIB) melhoraram e alguns bancos já falam em crescimento de 2% em 2023.

Sem adiantar qual pode ser a nova previsão do ministério, o ministro declarou que a equipe econômica deve também melhorar o prognóstico. "Nós mesmos, da Fazenda, estamos pensando em reestimar para mais a expectativa de crescimento em 2023."

Conforme mostrou hoje o IBC-Br, índice do Banco Central (BC) que mede mensalmente a atividade, a economia brasileira cresceu 3,32% em fevereiro contra janeiro, acima da taxa de 1,1% aguardada pelo mercado na mediana das previsões coletadas pelo Projeções Broadcast.

Questionado sobre o avanço da taxa de desemprego, que marcou 8,8% no primeiro trimestre - contra 7,9% do último trimestre de 2022 -, o ministro preferiu destacar a melhora do dado no comparativo anual. Frente aos três primeiros meses do ano passado, quando a desocupação estava em 11,1%, a taxa, comentou Haddad, ficou "bem menor".

Ele pontuou que, em março, a geração de empregos formais apontada ontem no Caged foi "o dobro da esperada pelo mercado". Aproveitou também o tema para falar sobre os juros altos. "Ela taxa de desemprego pode ser ainda menor se fizermos os ajustes necessários para a taxa de juros cair", disse o ministro, acrescentando que vê "espaço importante" para os juros recuarem, reativando assim a economia e os investimentos. "Estamos insistindo muito que temos que ajustar a taxa de juros para a economia voltar a crescer", assinalou.