Prejuízo às lavouras de trigo do RS por causa da chuva ainda será avaliado, diz Emater

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) ainda avalia os efeitos das chuvas volumosas dos últimos dias nas lavouras de trigo do Rio Grande do Sul. Um parecer inicial é de que houve danos em lavouras que estão nas fases de floração e início da formação dos grãos, principalmente por causa do acamamento em certas áreas e da queda de flores das plantas.

"A extensão dos danos e o possível impacto na produtividade ainda não puderam ser avaliados com precisão, sendo necessária a melhoria das condições ambientais para aguardar a reação das lavouras após o fenômeno climático, o que permitirá a realização de vistorias de avaliação", disse a empresa em nota.

No momento, a principal fase reprodutiva do trigo é a floração, que alcança 49% dos cultivos. Parte das lavouras, localizadas a noroeste do Estado, evoluiu para maturação.

Milho

No caso da safra verão 2023/24, a Emater disse que a chuva intensa causou erosão em lavouras de milho. "Resultou em considerável escoamento superficial e na formação de sulcos, que transportaram fertilizantes para áreas mais baixas, incluindo rios; a extensão dos danos ainda não foi avaliada. Além disso, algumas lavouras de milho que foram recentemente implantadas e ainda não tinham emergido, podem enfrentar problemas."

Arroz

Conforme a Emater, os altos volumes de chuvas adiaram o início dos trabalhos de plantio do arroz na maioria dos municípios, onde se esperam melhores condições climáticas nos próximos dias.