Petróleo cai quase 5%, no menor nível desde julho, com temor por demanda e alta da produção

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa de quase 5% nesta quinta-feira, 16, levando o barril aos níveis mais baixos desde julho, e deixando o Brent abaixo dos US$ 80. Temores com a demanda nas maiores economias do mundo pressionam a commodity, enquanto a produção avança em uma série de países. Neste cenário, e sem novos desdobramentos que sugiram uma escalada no conflito entre Israel e o Hamas, os prêmios de risco do começo da guerra também vem sendo devolvidos.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para janeiro fechou em queda de 4,81% (-US$ 3,70), a US$ 73,09 o barril, enquanto o Brent para igual mês negociado na Intercontinental Exchange (ICE), fechou em baixa de 4,63% (-US$ 3,76), a US$ 77,42 o barril.

O ANZ comenta que o mercado de petróleo não está mais tão apertado, com o crescimento da oferta de fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mais que compensando a demanda forte. Na quarta-feira, o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) apontou estoques totais próximos a 17,5 milhões de barris, o que afasta o receio de falta do produto.

Por outro lado, a produção industrial dos Estados Unidos caiu 0,6% em outubro ante setembro. A queda veio mais forte que o previsto por analistas consultados pela FactSet, que esperavam recuo de 0,4% no período.

Já o escritório nacional de estatísticas da China (NBS, na sigla em inglês), mostrou uma redução da demanda por petróleo das refinarias do país, que caiu de 15,48 milhões de barris por dia para 15,05 milhões de barris por dia em outubro.

Na visão da Oanda, há "claramente" preocupações em torno da demanda de 2024, especialmente considerando a China e a tendência de queda, o que pode tornar difícil para a Rússia e a Arábia Saudita permitirem que cortes unilaterais expirem no fim do ano.

Segundo o diretor e sócio do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires, além dos fatores que já vem deixando o mercado volátil há algum tempo, a venda de posições dos hedge funds também impactam o preço do mercado físico da commodity.

"Essa queda maior do petróleo de setembro e outubro para cá é porque você tem o mercado financeiro e o físico de petróleo. Os hedges funds venderam 37% da posição desde setembro, isso significa algo em torno dos 200 milhões de barris de petróleo", disse Pires ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes