Tom negativo externo instiga Ibovespa a devolver parte de lucros após 4 altas

O tom negativo do exterior instiga nesta terça-feira, 21, uma realização de lucros do Ibovespa, que, na segunda-feira, marcou a quarta sessão seguida de alta. Na ocasião, subiu 0,95%, fechando aos 125.957,06 pontos.

A agenda escassa de indicadores reforça a moderada queda do Índice Bovespa. O que ajuda a conter o recuo é a alta de 1,93% do minério de ferro em Dalian, na China, nesta terça-feira, na esteira de expectativas de medidas de estímulo ao país.

Já o petróleo cai, pesando nos papéis da Petrobras, cujos investidores embolsam uma parcela dos ganhos recentes. Ainda fica no radar a reunião entre o presidente Lula e o da petroleira, Jean Paul Prates, em meio a pressão por redução dos combustíveis e pela saída do executivo da empresa.

"Se houver corte dos preços ou demissão do presidente da empresa seria ruim nesse momento, indicaria ingerência política, o que não bateria bem na ação", alerta o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

Em Nova York, os índices futuros cedem moderadamente. "É uma semana meio parada, sem muita liquidez por conta do feriado de Ação de Graças na quinta-feira nos Estados Unidos. A agenda econômica também é fraca. Aqui também não tem grandes gatilhos para os mercados locais", avalia Rodrigo Ashikawa, economista da Principal Claritas.

Hoje, no geral, os investidores estão à espera da divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), na tentativa de encontrar pistas sobre o início de corte dos juros dos Estados Unidos. Isso porque indicadores recentes de inflação e de atividade sugeriram que a economia está desacelerando, abrindo margem para redução das taxas. Contudo, alguns analistas desacreditam que haverá algum sinal neste sentido.

"É sempre importante observar a ata do Fed, ver os detalhes. Só que desde que os últimos dados de inflação e do mercado de trabalho mostraram uma economia desacelerando, a ata não parece que será um grande divisor de águas", estima Ashikawa.

No Brasil, ficam ainda no radar do mercado as expectativas em torno da agenda econômica do governo. Além da PL dos Fundos, o presidente Lula tem prazo até quinta-feira para sancionar ou vetar o projeto aprovado no Congresso que prorroga até 2027 a desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia. Há relatos de que poderá vetar.

Já o relator do projeto de lei das apostas esportivas, senador Angelo Coronel (PSD-BA), confirmou ao Broadcast Político que reduzirá a alíquota cobrada sobre a receita bruta dos jogos subtraídos os prêmios pagos aos apostadores de 18% para 12%.

Em live nesta manhã com Lula, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, repetiu que a reforma tributária vai ser promulgada este ano. "Não tenho dúvida."

Às 11h12, o Ibovespa cedia 0,23%, aos 125.672,36 pontos, ante abertura e máxima aos 125.957,06 pontos, com variação zero, ante mínima aos 125.276,14 pontos (com recuo de 0,54%). Vale ON subia 2,05% e Petrobras caía 1,06% (PN) e -0,81% (ON).

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes