BCE: enfraquecimento da economia e aperto monetário aumentam riscos à estabilidade financeira

O enfraquecimento da economia da zona do euro amplia riscos para a estabilidade financeira do bloco, aumentando os efeitos do aperto monetário, avalia o Banco Central Europeu (BCE), em relatório divulgado nesta quarta-feira, 22.

Segundo o documento, as perspectivas para estabilidade financeira na zona do euro "permanecem fracas", conforme a transmissão da política monetária se propaga pela economia real e tensões geopolíticas geram temores de novos choques. "As fracas perspectivas econômicas, juntamente com as consequências da alta inflação, estão prejudicando a capacidade das pessoas, empresas e governos de pagar suas dívidas", enfatizou o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos.

O relatório nota que, apesar da expectativa consolidada de um "pouso suave", uma recessão segue como um cenário provável, como sinalizado por leituras do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial. O indicador costuma prever o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e contraiu no terceiro trimestre, lembra o banco central. "De qualquer modo, evidências históricas apontam que um cenário benigno de pouso suave é difícil, embora não impossível, de conquistar na prática, especialmente com a magnitude do aperto monetário em um curto período de tempo", observou.

O Banco Central Europeu aumentou juros por dez decisões consecutivas desde 2022, antes de decidir pausar o aperto monetário em outubro. Apesar do consenso do mercado de que este seria o pico das taxas, dirigentes alertam sobre a possibilidade de novas altas, caso a inflação siga elevada.

E este aperto das condições já se reflete em alguns setores mais sensíveis aos juros elevados, com o aumento de insolvências corporativas. Conforme o relatório, o número de inadimplências deve expandir ainda mais, caso os rendimentos de títulos soberanos mantenham escalada ou se os preços de energia dispararem novamente.

Este cenário poderia ter um "efeito dominó" sobre balanços patrimoniais bancários e em investidores não bancários de dívidas corporativas, assim como em perspectivas de empregos domésticos. Por enquanto, bancos se beneficiaram de lucros com o aperto monetário, mas podem enfrentar desafios com a deterioração das condições financeiras, piora na qualidade de ativos e menor volume de empréstimos, alerta o BCE.

Além disso, os riscos de instituições não bancárias - no setor conhecido como "shadow banking" - podem amplificar as vulnerabilidades do sistema como um todo. O relatório destaca os níveis baixos de liquidez e alto risco de crédito em fundos de investimento, que exigiriam reforço na supervisão.

O BCE aponta ainda que uma consolidação da dívida fiscal nos próximos anos poderia "ajudar a garantir que as políticas fiscais fiquem alinhadas à resposta monetária" no combate a inflação. "Chegar a um acordo entre todos os membros da União Europeia (UE) é fundamental para ancorar as expectativas de sustentabilidade da dívida e crescimento sustentável e inclusivo", concluiu.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes