Campos Neto: Estou otimista, Brasil tem chance de ser a grande estrela

A "rearrumação" da economia mundial pode favorecer o Brasil, afirmou nesta quinta-feira, 23, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. "Qual é o País no nosso bloco com capacidade de produzir com energia limpa para uma grande população, um grande mercado de trabalho e consumidor? O Brasil tem a chance de ser essa grande estrela", disse.

Campos Neto disse que há um pessimismo muito grande com o País. "Quando paramos e pensamos, o Brasil é um dos únicos países que seguem uma agenda de reformas", emendou.

"Fizemos a reforma da Previdência, várias microeconômicas e do saneamento", disse o presidente do BC. "Agora fizemos o arcabouço fiscal em um momento em que ninguém acreditava que o governo teria disciplina fiscal, e estamos seguindo com reformas, como a tributária."

O banqueiro central disse que está otimista, mas destacou que é necessário que o País encontre equilíbrio fiscal, olhe mais para o meio ambiente - o que ressaltou que melhorou - e tenha uma mensagem mais forte de respeito a contratos.

Diminuir crédito direcionado e aumentar mercado de capitais é indicador de melhoria

Campos Neto ao falar sobre o mercado de crédito no Brasil, ressaltou que diminuir o volume de crédito direcionado e, ao mesmo tempo, aumentar o volume de financiamentos pelo mercado de capitais seria um bom indicador de melhoria.

De modo geral, segundo banqueiro central, o volume de crédito no Brasil é ainda relativamente baixo porque o custo de recuperação de crédito no País é muito custoso. Esse processo se dá por vias judiciais e não extrajudicial, o que torna as ações demoradas e caras demais.

"A recuperação de crédito no Brasil é muito baixa, é de R$ 0,18 por R$ 1,00. Pior que o Brasil, se não me engano, só Venezuela, Haiti, Burundi e Zimbábue. África", disse destacando que por isso a importância de se fazer micros reformas para que pequenos valores de recuperação de crédito possam ser feitos extrajudicialmente.

De acordo com o presidente do BC, quando o crédito a ser recuperado é baixo o credor não esboça o menor esforço para recuperá-lo. Isso ocorre porque invariavelmente o custo de recuperá-lo acaba sendo maior que o valor inadimplido.

Por isso, com a micro reforma que está sendo feita, de acordo com o banqueiro central, serão ampliados muito os modelos de negócios.

Campos Neto participou de evento da Endeavor, em São Paulo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora