Bolsas da Europa operam sem sinal único, no início de semana de decisões de BCE, BoE e Fed

Os mercados acionários da Europa ostentam tom em geral negativo, nas primeiras horas de negócio desta semana, mas Paris subia e Frankfurt tentava firmar ganho modesto. Esta segunda-feira, 11, é dia de agenda fraca, com maior expectativa pelo restante da semana, com decisões de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) e do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

O índice pan-europeu Stoxx 600 operava em alta de 0,05%, em 472,49 pontos, às 6h45 (de Brasília).

No fim de semana, foram divulgados dados fracos de inflação da China, ao consumidor e ao produtor. A fraqueza da inflação local é vista também no contexto de pouco impulso no país, o que tende a ser negativo para ações de exportadoras europeias. A Capital Economics avaliou que a inflação chinesa deve seguir fraca, mas descartou risco de espiral deflacionária, em comentário a clientes.

Hoje, com agenda modesta, há maior expectativa pelos demais dias na semana. Na terça-feira, haverá leitura do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos EUA, e na região teremos dados importantes nos próximos dias, como a produção industrial na zona do euro e no Reino Unido. Mas o foco principal está nas decisões de política monetária, com especulações entre investidores sobre quando começariam ciclos de relaxamento pelos bancos centrais, que tendem a apoiar as bolsas.

O Rabobank afirmou em relatório que o mercado tem especulado sobre a chance de o BCE atuar de modo mais agressivo para reduzir juros, mais adiante. Já o Société Générale advertiu que não se devia esperar nesta semana alguma sinalização de corte pelo BCE, em quadro de inflação ainda bem acima da meta de 2% na zona do euro, com incertezas elevadas. O Danske Bank, por sua vez, disse que esperava "uma bonança generalizada" pelos bancos centrais globais, com manutenção de juros dos dois lados do Atlântico nesta semana.

Entre ações em foco, Anglo American chegou a cair mais cedo, mas avançava 1,34% em Londres, no horário citado. Com isso, o papel recuperava modestamente as perdas de 18,97% vistas na sexta-feira, quando desagradou o anúncio de que a gigante de mineração reduziria a produção de uma série de commodities, para cortar custos.

Às 6h53, a Bolsa de Londres operava em baixa de 0,32%, Frankfurt subia 0,03% e Paris tinha alta de 0,17%. Milão caía 0,08% e Lisboa recuava 0,57%. No câmbio, o euro tinha baixa a US$ 1,0762 e a libra subia a US$ 1,2552, esta bem perto da estabilidade.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes