Dólar recua ecoando Fed e Copom em meio a varejo fraco no Brasil

O dólar opera em baixa, junto com o rendimento dos Treasuries e da moeda americana no exterior, ecoando a sinalização do Fed de corte de juros em 2024 e a do Copom de mais cortes de 0,50 ponto porcentual na Selic nos próximos meses, que em conjunto abrem espaço para um diferencial de juros interno e externo mais favorável do que o mercado esperava para os ativos brasileiros.

Os investidores aguardam a decisão de juros do Banco Central Europeu (BCE), às 10h15, e a entrevista da presidente Christine Lagarde (10h45), após o Banco da Inglaterra (BoE) anunciar a manutenção da taxa básica de juros em 5,25%, seguindo a decisão do Fed, que manteve inalterada a taxa dos Fed Funds ontem à faixa de 5,25% a 5,50% ao ano.

Os mercados locais repercutem também os dados fracos de venda no varejo em outubro no País. As vendas do comércio varejista caíram 0,3% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com outubro de 2022, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 0,2% em outubro.

Lá fora, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) informou que o Produto Interno Bruto (PIB) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) cresceu 0,7% no terceiro trimestre, na comparação com o anterior. O resultado representa leve aceleração, após o avanço de 0,6% do segundo trimestre.

Em comunicado, a OCDE diz que o desempenho dos países do G20 foi "misto" no terceiro trimestre. Houve fortalecimento da economia na China e nos Estados Unidos e também no México, enquanto na Itália ocorreu crescimento de 0,1%, após contração de 0,4% no segundo trimestre. Por outro lado, o quadro piorou em outros países do grupo, como Arábia Saudita, Turquia, Japão, Canadá, África do Sul, França e Alemanha. O PIB do Brasil também desacelerou, enquanto Austrália, Índia, Indonésia, Reino Unido e União Europeia tiveram perda de fôlego mais marginal.

Às 9h35 desta quinta-feira, 14, o dólar à vista cedia 0,74%, a R$ 4,8854. O dólar para janeiro de 2024 caía 0,60%, a R$ 4,8889.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes