Resiliência do consumo das famílias surpreendeu positivamente novamente, diz ata do Copom

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada nesta terça-feira, 19, trouxe que a resiliência no consumo das famílias novamente foi uma surpresa positiva, e pode estar relacionada ao aumento da renda bruta, tanto pela expansão do mercado de trabalho e de benefícios sociais quanto pela desinflação.

Sobre a atividade econômica doméstica, o colegiado pontuou que a divulgação referente ao PIB do terceiro trimestre indicou moderação do crescimento econômico, em linha com o cenário de desaceleração já antecipado pelo Comitê. "A resiliência do consumo das famílias, que novamente surpreendeu positivamente, pode estar relacionada a um aumento da renda bruta das famílias, em função da expansão do mercado de trabalho, de benefícios sociais e de ganhos de renda relacionados à desinflação em importantes segmentos da cesta de consumo", diz o documento.

O Copom ainda pondera que a formação bruta em capital fixo, mais sensível às condições financeiras e às perspectivas e incertezas futuras, continua em queda depois de uma forte elevação durante o período da pandemia.

"Alguns membros avaliaram que a persistência de uma conjunção de maior resiliência do consumo e queda no investimento poderia provocar, no médio prazo, um excesso de demanda em relação à oferta, com potenciais impactos sobre preços. Em suma, os dados de atividade divulgados desde a última reunião corroboram o cenário delineado pelo Copom", diz o documento.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes