PIB deve crescer 3,2% em 2023, mas 2% em 2024 devido a recuo da agropecuária, diz Ipea

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê crescimento de 3,2% no Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e de 2% em 2024. As previsões constam da publicação Visão Geral da Conjuntura, divulgada nesta quarta-feira, 20.

O crescimento esperado para 2023, informou o Ipea, está ligado à melhoria no consumo das famílias, sustentado pelo aumento "consistente" da massa salarial ampliada, e às exportações, ancoradas em produtos agropecuários e petróleo. No quarto trimestre, especificamente, o instituto espera um crescimento de 3,0% frente ao mesmo período do ano anterior.

A estimativa para 2023 recuou 0,1 ponto porcentual em relação àquela feita em setembro, que previa 3,3% de crescimento. O ajuste se deveu, em parte, a uma adequação das previsões a revisões da série histórica do PIB, devido à atualização das Contas Anuais pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desaceleração em 2024

A previsão de desaceleração do crescimento prevista para 2024 ante 2023 é explicada pela queda esperada do valor adicionado da agropecuária (-3,2%), penalizada por fatores climáticos adversos, anotam os pesquisadores do Ipea.

Outras commodities, como o petróleo, no entanto, podem ter desempenho positivo se a expectativa de manutenção do ritmo de crescimento do PIB mundial se concretizar em 2024.

Desempenho 2023

Segundo o Ipea, apesar da redução dos preços das commodities em 2023, o ritmo de crescimento dos volumes exportados se manteve, impulsionando o PIB. O Ipea destaca o desempenho do setor agropecuário, apoiado pela supersafra agrícola, e a expansão acima do esperado da produção do petróleo, que permitiram ao País conquistar novos mercados, substituindo concorrentes no mercado internacional.

Essa queda na cotação das commodities, por sua vez, ajudou a reduzir a inflação. A previsão do Ipea para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2023 caiu de 4,8%, para 4,6%. Segundo os pesquisadores, os efeitos da desaceleração inflacionária favoreceram mais as classes de renda mais baixas, por incidirem em bens com maior proporção no orçamento dessas famílias, caso dos alimentos. Além disso, a fragilidade financeira das famílias teria diminuído no segundo semestre, comprometendo menos a renda com o pagamento de dívidas.

Essa combinação de fatores, diz o Ipea, alavancou os efeitos sobre o poder de compra das famílias, ampliado por benefícios sociais (Bolsa Família e benefícios previdenciários). Essa ampliação do poder de compra das famílias, segue o Ipea, teria sido canalizada para o setor de serviços, com papel decisivo no crescimento da economia em 2023.

Essa expansão do setor de serviços, intensivo em mão de obra, ajuda a explicar a sustentação do emprego. O Ipea projetou alta de 2,6% no setor de serviços em 2023 e de 2,1% em 2024, o que o mantém como um dos principais impulsionadores do PIB. Em relação à indústria, a alta prevista pelo instituto é de 1,4% neste ano e de 2,5% em 2024. A perspectiva para a agricultura é de um salto de 16,7% em 2023, seguido de retração de 3,2% em 2024.

Arrecadação e investimento

Esse maior dinamismo da economia em 2023, no entanto, não implicou em aumento da arrecadação, observam os pesquisadores do Ipea. A queda do preço das commodities reduziu os lucros das empresas exportadoras e, com isso, houve recuo nas receitas tributárias incidentes sobre o lucro e rendas da exploração de recursos naturais.

Além disso, a deterioração da indústria ante serviços e agropecuária diminui a elasticidade da receita tributária com relação ao PIB, uma vez que a incidência tributária sobre a indústria é maior. Essa queda de arrecadação em cenário de aumento de gastos ampliou o déficit fiscal, o que tende a ser revisto com a implementação do novo arcabouço fiscal em 2024.

Por fim, o Ipea também projeta uma "reação" dos investimentos e do setor industrial em 2024, em função da maior aprovação de financiamentos em infraestrutura por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a programas federais, como o Minha Casa, Minha Vida, e de incentivo ao crédito. A trajetória de queda prevista para a taxa básica de juros, a Selic, corrobora a previsão.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes