PMI composto do Brasil cai a 50,0 em dezembro; PMI de serviços recua a 50,5

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) sobre a atividade dos setores industrial e de serviços do Brasil caiu de 50,7 pontos em novembro para 50,0 pontos em dezembro, segundo dados divulgados pela S&P Global. A leitura, superior a 50 pontos, indica expansão da atividade e, abaixo disso, retração.

Em relatório, a S&P Global afirmou que o resultado decorre de um crescimento menos intenso na economia de serviços, enquanto a produção industrial "teve um declínio mais rápido".

O PMI que mede apenas a atividade dos serviços caiu de 51,2 pontos em novembro para 50,5 em dezembro.

"A economia de serviços registrou expansão ao longo do quarto trimestre, embora o crescimento tenha perdido força em dezembro, enquanto que, do outro lado do

espectro, o setor industrial registrou uma quarta queda consecutiva na produção", destacou, em nota, Pollyanna de Lima, diretora associada econômica da S&P Global Market Intelligence, em relatório.

Segundo ela, a confiança em relação ao futuro melhorou, com o otimismo associado a melhores condições econômicas, estabilidade de preços e tendências de demanda positivas.

"Embora os fabricantes tenham observado um ressurgimento das pressões sobre os custos em dezembro, eles relutaram em aumentar os preços cobrados na prestação de serviços em meio aos esforços contínuos para se manterem competitivos e garantirem novos pedidos", destacou a diretora.

A pesquisa da S&P também mostrou que o setor registrou um aumento na entrada de novos negócios no final de 2023, ainda que o ritmo de expansão em dezembro tenha sido mais moderado no período. A S&P salienta que, embora a resiliência da demanda tenha sustentado as vendas em algumas empresas, outras indicaram escassez de novos pedidos.

"Os provedores de serviços mantiveram o poder de precificação, aumentando seus preços em maior escala, apesar da inflação de custos ter recuado. Considerando o ambiente de demanda frágil, as vendas de serviços, e com isso a atividade, podem ser impactadas de forma negativa no curto prazo", observa Pollyanna de Lima.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes