Ainda não chegou momento de cortar juros, afirma presidente do Banco da Inglaterra

O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey, disse nesta terça-feira, 1º de fevereiro, que ainda não chegou o momento de cortar juros, visto que o BC inglês precisa estar mais confiante de que a inflação chegará à meta oficial de 2% e permanecerá nesse nível, embora os preços estejam "caminhando na direção certa".

Bailey, que falou em coletiva de imprensa após o BoE decidir manter seu juro básico em 5,25% pela quarta vez consecutiva, comentou que a política monetária restritiva do BoE tem conseguido conter as pressões dos preços britânicos, mas ressaltou que a inflação vem se mantendo acima da meta por mais tempo do que o previsto.

Segundo Bailey, não há expectativa de quedas substanciais nos preços de energia e pressões inflacionárias no setor de serviços têm se mantido de modo persistente.

Ele previu que a inflação ganhará força durante a primavera no Reino Unido, mas ressaltou que o movimento será temporário.

Bailey disse ainda que não irá especular sobre o que o BoE fará em sua próxima reunião, marcada para 21 de março, e previu que o crescimento econômico do Reino Unido deverá ganhar fôlego de maneira gradual.

Ele também afirmou que os riscos geopolíticos se intensificaram, mas tiveram, por enquanto, efeito apenas limitado nos preços de energia. Ele alertou, porém, que o quadro pode se agravar se as interrupções no transporte marítimo de cargas no Mar Vermelho perdurarem.