Indicador antecedente de emprego da FGV sobe 0,9 ponto em janeiro ante dezembro, a 78,2 pontos

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 0,9 ponto na passagem de dezembro para janeiro, para 78,2 pontos, maior nível desde outubro de 2022, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o IAEmp cresceu 1,0 ponto.

"O IAEmp registra aumento pelo segundo mês consecutivo, iniciando o ano de 2024 com perspectivas mais otimistas para o mercado de trabalho. No entanto, é necessário analisar esse resultado com cautela, dado que o indicador ainda se encontra em um patamar relativamente baixo. As indicações positivas do ambiente macroeconômico desde o final do ano passado têm o potencial de impactar positivamente o dia a dia dos empresários, gerando uma expectativa mais favorável, embora a evolução ainda deve ocorrer em um ritmo moderado", avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante: quanto maior o patamar, mais satisfatório o resultado. O indicador é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

Em janeiro, três dos sete componentes do IAEmp contribuíram positivamente para o resultado. Os melhores desempenhos no mês foram dos itens Tendência dos Negócios da Indústria, que contribuiu com 0,9 ponto, e Tendência dos Negócios de Serviços, que avançou 0,8 ponto.

Entre as contribuições negativas, as mais relevantes foram dos componentes Emprego Previsto da Indústria, com impacto de -0,4 ponto, Situação Atual dos Negócios de Serviços, com -0,3 ponto, e Emprego Previsto de Serviços, com -0,3 ponto também.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes