Taxas de juros têm viés de baixa com curva de Treasuries e após PIB dentro do esperado

Os juros futuros operam com viés de baixa em toda a curva na manhã desta sexta-feira, 1, em sintonia com os retornos dos Treasuries e o dólar, e após o Produto Interno Bruto (PIB) do 4º trimestre ter vindo estável, na margem, como era esperado, o que deve reforçar a expectativa de mais cortes de 50 pontos-base da Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom) nas "próximas reuniões", como tem sinalizado o BC. No fechamento de 2023, o PIB cresceu 2,9% ante 2022, resultado também ligeiramente menor que a mediana das projeções do mercado (+3,0%).

Às 9h22, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 marcava 9,950%, de 9,956% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2026 estava em 9,765%, de 9,784%, e o para janeiro de 2027 recuava para 9,955%, de 9,976% no ajuste de ontem. O vencimento para janeiro de 2029 caía para 10,390%, de 10,411%.