Sinal de corte do juro dos EUA em 2024 anima Ibovespa, que busca 129 mil pontos

O Ibovespa sobe na manhã desta quarta-feira, após dois pregões seguidos de baixa. Ontem, encerrou com queda de 0,19%, aos 128.098,11 pontos. A valorização é amparada na elevação dos índices futuros de ações norte-americanos, após as bolsas terem caído na véspera.

Ainda ajuda a elevação das commodities e sinais de que a China pretende oferecer mais liquidez para sustentar sua economia. O banco central chinês disse que há espaço para cortar compulsórios bancários, prometendo impulsionar os preços ao consumidor e manter a estabilidade do yuan.

O minério de ferro tem sinais divergentes, fechou com recuo de 0,23% em Dalian, na China, e cede em Cingapura. Já o petróleo sobe em torno de 1,00%. O resultado é alta das ações da Petrobrás e da Vale, além do segmento metálico como um todo.

Por volta das 11 horas, o Ibovespa acelerou a velocidade de alta, em busca dos 129 mil pontos, seguindo a melhora do humor dos mercados norte-americanos. A elevação dos índices futuros de ações e o recuo dos rendimentos dos Treasuries ocorrem na esteira da divulgação da apresentação que o presidente do Fed, Jerome Powell, fará ao Congresso no início da tarde. Ele reafirmou que "provavelmente" cortes de juros serão apropriados neste ano, mas citou incertezas com a inflação.

"O Powell já sinalizou que ficará data dependent dependente de dados", pontua Yan Vasconcellos, sócio da One Investimentos. "Ou seja, vai esperar os indicadores, principalmente os do mercado de trabalho", diz Vasconcellos.

Mais cedo, foi divulgado que o setor privado dos Estados Unidos criou 140 mil empregos em fevereiro. O resultado veio abaixo da expectativa de analistas, de geração de 150 mil postos de trabalho no mês passado. Na sexta, sairá o relatório oficial de emprego americano, o payroll. "Por mais que a pesquisa ADP não tenha tanta aderência ao payroll, deve dar uma indicação. Então, a agenda forte desta semana guiará os mercados", completa o sócio da One Investimentos.

Além do relatório ADP, o mercado ficará de olho na parte de perguntas e respostas de Powell no Congresso no início da tarde, e na divulgação do relatório Jolts, de emprego, e do Livro Bege.

Na avaliação de Beto Saadia, economista e diretor de investimentos da Nomos, os sinais da diretoria do Fed vão numa direção mais suave, de menos cortes de juros em relação ao que fora cogitado no fim do ano passado. "Agora, tem ficado em linha com o que mercado tem precificado, entre três e quatro reduções, em vez de sete como antes", diz.

Apesar de sinais de novos estímulos à economia chinesa, Saadia diz o noticiário chinês tem tido pouca influência no Ibovespa. "Tem feito pouco efeito. Os holofotes estão no Fed", afirma.

Às 11h25, o Ibovespa subia 0,73%, aos 129.037,91 pontos, ante elevação de 0,84%, na máxima aos 129.171,34 pontos. Na mínima marcou 128.098,95 pontos, com variação zero.