Tanto volume quanto preço de venda de minério cresceram ante fevereiro de 2023, diz MDIC

O diretor de Estatísticas e Estudos de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Herlon Brandão, destacou que a exportação de minério de ferro em fevereiro registrou avanços tanto no volume embarcado quanto nos preços. Em volume, a alta em comparação com igual mês em 2023 foi de 21,4%, enquanto que, no preço, o aumento foi de 16,5%.

Outro item das exportações ressaltado por Brandão foi o petróleo. Nesse caso, a queda de preços (-6,1%) foi compensada por uma forte alta de volume vendido, de 134%.

Questionado sobre a tendência verificada em fevereiro, o diretor do MDIC afirmou que o óleo bruto deve "provavelmente" ser um dos destaques das exportações brasileiras neste ano.

Já na agricultura, também houve queda de preços nas exportações de fevereiro, com recuo de 20,7% na soja e de 3,1% no café. Mesmo assim, os valores vendidos cresceram em ambos os casos (4,5% e 71,5%, respectivamente), puxados pelo aumento de volume exportado - com alta de 31,7% no caso da soja e avanço de 77,1% para o café.

Nos destinos, novamente o destaque foi a China, para onde os embarques cresceram 39,7%, embora os preços tenham recuado 4%. Já para a Argentina as vendas registraram queda, de 30% em fevereiro, também ante igual período do ano passado.

Segundo Brandão, o recuo se deve principalmente à redução na exportação de soja e de energia elétrica ao país neste período. Os dois itens responderam por cerca da metade da queda de aproximadamente US$ 400 milhões registrada no último mês em embarques para os argentinos, explicou o técnico.

Brandão foi questionado ainda sobre a alta de importação de bens intermediários registrada em fevereiro, de 2,8%, e se o movimento poderia indicar um ponto de inflexão para a indústria.

Ele disse que o avanço ainda é pontual e que é preciso acompanhar o indicador para verificar se a tendência será mantida nos próximos meses. Avaliou, por sua vez, que o aumento já pode ser um sinal de "melhora" da produção interna.