Setor público tem superávit primário de R$ 53,455 bi no 1º bimestre, mostra BC

As contas do setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) acumularam um superávit primário de R$ 53,455 bilhões no primeiro bimestre de 2024, o equivalente a 3,01% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central nesta sexta-feira, 5. Em todo o ano de 2023, o resultado foi deficitário em R$ 249,124 bilhões.

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento dos juros da dívida pública.

O déficit fiscal no ano até fevereiro ocorreu na esteira do saldo positivo de R$ 23,463 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS), que representou 1,31% do PIB.

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 31,160 bilhões (1,75% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 27,222 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 3,938 bilhões.

As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 1,168 bilhão em 2023.

Acumulado em 12 meses

No acumulado em 12 meses até fevereiro, o setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 268,229 bilhões, informou o Banco Central. Em porcentual do PIB, o déficit é equivalente a 2,44%. Até janeiro, o déficit acumulado era de R$ 245,990 bilhões (2,25% do PIB).

O resultado fiscal negativo em 12 meses até fevereiro é composto por um déficit de R$ 281,237 bilhões do Governo Central (2,56% do PIB). Já os governos regionais apresentaram um saldo positivo de R$ 15,220 bilhões (0,14% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 29,908 bilhões, os municípios apresentaram um rombo de R$ 14,689 bilhões em 12 meses. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 2,212 bilhões no período.

Fevereiro

Em fevereiro, o setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 48,692 bilhões em fevereiro, após resultado positivo de R$ 102,146 bilhões de janeiro, informou o Banco Central.

O resultado de fevereiro foi o pior desempenho das contas consolidadas do País para o mês na série histórica do BC, que foi iniciada em 2001. Em fevereiro de 2023, houve déficit primário de R$ 26,453 bilhões.

No segundo mês de 2024, o resultado fiscal foi composto por um déficit de R$ 57,821 bilhões do Governo Central.

Já os governos regionais influenciaram o resultado positivamente com R$ 8,646 bilhões.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 7,486 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 1,160 bilhão. As empresas estatais registraram superávit de R$ 483 milhões no mês.