Bijos: Despesas primárias terão decréscimo ao longo de 4 anos

O secretário de Orçamento Federal, Paulo Bijos, destacou nesta segunda-feira, 15, que as despesas obrigatórias sofrerão decréscimo ao longo de quatro anos, quadro que, segundo ele, afeta ainda os gastos discricionários (não obrigatórios) do governo federal.

De acordo com o secretário, embora não haja surpresa em relação ao patamar das despesas obrigatórias como proporção do PIB, os valores nominais geram preocupação já que reduzem o espaço fiscal para gastos discricionários considerados prioritários ao Poder Executivo.

"Todos os itens de despesas obrigatórias merecem atenção redobrada porque, muito embora como proporção do PIB não haja surpresa, há fato a ser considerado que é sua relação em valores absolutos, valores nominais. Isso traz desafios sobre redução de espaço para despesas discricionárias", disse Bijos durante coletiva à imprensa após divulgação do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO). Ele reiterou ainda o empenho da equipe econômica na agenda de revisão de gastos.