Taxas futuras de juros operam em queda, alinhadas ao cenário internacional

As taxas de juros negociadas no mercado futuro operam em baixa nesta sexta-feira, 3, acompanhando de perto a movimentação no mercado internacional, com queda de juros e enfraquecimento do dólar. Os números mais fracos do relatório de empregos dos Estados Unidos em abril reacenderam apostas na possibilidade de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) promover alguma redução nos juros básicos do país.

No Brasil, a produção industrial subiu 0,90%, abaixo da expectativa média dos analistas (1,4%), o que, apesar da frustração, também favorece a tese de um corte de juros mais significativo por parte do Banco Central brasileiro.

O ponto negativo ficou com o a divulgação do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços dos Estados Unidos medido pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM). O índice caiu para 49,4 em abril, ante 51,4 em março. O resultado contrariou expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam alta do índice no mês passado, a 52. Após a divulgação do índice, as bolsas de Nova York reduziram o ritmo de alta, mas seguem com valorização significativa.

Os juros dos Treasuries, títulos do Tesouro americano, também reduziram o ritmo de queda, mas seguem em campo negativo em todos os vencimentos.

Aqui, às 11h41, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2025 tinha taxa de 10,150%, ante 10,201% do ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2027 projetava 10,64%, ante 10,75% do ajuste anterior.