Indicador Antecedente de Emprego da FGV sobe 0,7 ponto em abril ante março, para 80,2

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) subiu 0,7 ponto na passagem de março para abril, quinto avanço consecutivo, para 80,2 pontos, maior nível desde setembro de 2022, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o IAEmp cresceu também 0,7 ponto.

"O resultado de abril do IAEmp mantém a trajetória positiva dos últimos meses, acumulando alta de 5,2 pontos nos últimos cinco meses. A melhora nas previsões da economia brasileira para o ano de 2024 pode estar influenciado as decisões dos empresários e sugerindo um cenário positivo para o mercado de trabalho nessa primeira metade do ano. Ainda é preciso cautela pelo patamar baixo do indicador, retornando para o nível de 2022, e pela recente alta da incerteza, que pode ser um obstáculo para a continuidade dessa retomada do indicador", avaliou Rodolpho Tobler, economista do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

O IAEmp sugere expectativa de geração de vagas adiante, quanto maior o patamar, mais satisfatório o resultado. O indicador é formado por uma combinação de séries extraídas das Sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor, todas apuradas pela FGV. O objetivo é antecipar os rumos do mercado de trabalho no País.

Em abril, quatro dos sete componentes do IAEmp contribuíram positivamente para o resultado.

Os melhores desempenhos no mês foram dos itens Tendência dos Negócios da Indústria, com impacto de 0,9 ponto, e Emprego Previsto de Serviços, com impacto de 0,5 ponto.

Houve impactos negativos dos itens Tendência dos Negócios de Serviços, com -0,5 ponto, Situação Atual dos Negócios da Indústria, com -0,3 ponto, e Situação Atual dos Negócios dos Serviços, -0,3 ponto.