IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Itaú, CSN, Petrobras, BR, Vale e mais 15 divulgam balanços na próxima semana

26/07/2019 14h09

A semana que fecha julho e abre agosto será marcada pela divulgação de importantes balanços e companhias listadas na bolsa, com destaques para Itaú Unibanco (SA:ITUB4), Companhia Siderúrgica Nacional (SA:CSNA3), Petrobras (SA:PETR4), BR Distribuidora (SA:BRDT3) e Vale (SA:VALE3).

Também divulgam os números a Multiplan (SA:MULT3), Aliansce (SA:ALSC3), Sonae Sierra (SA:SSBR3), Eletropaulo (SA:ELPL3), Lojas Renner (SA:LREN3), TIM (SA:TIMP3), Cia. Hering (SA:HGTX3), Duratex (SA:DTEX3), Gol (SA:GOLL4), Grendene (SA:GRND3), Localiza (SA:RENT3), Odontoprev (SA:ODPV3), Paranapanema (SA:PMAM3), Log Com. e Porto Seguro (SA:PSSA3).

Confira as estimativas para o lucro líquido por ação e das receitas das companhias.

SEGUNDA (29)

Após o fechamento:

- Itaú Unibanco

O consenso de mercado para o maior banco privado do país é de lucro líquido de R$ 0,72 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,98, o que ficou abaixo dos R$ 1,01 esperados na ocasião. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 0,71 por ação, superando aos R$ 0,70 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 28,81 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 21,18 bilhões de um ano antes, quando a expectativa era de R$ 27,11 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 28,21 bilhões, o que ficou melhor do que os R$ 27,66 bilhões que eram aguardados.

- Multiplan

A administradora de shoppings center deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,22 para cada ação, diante de R$ 0,20 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,26. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,15, também inferior a estimativa de R$ 0,18.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 305,09 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 306,4 milhões, cenário que eram esperados R$ 304,5 milhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 307,86, ligeiramente abaixo dos R$ 307,9 milhões que eram esperados.

- Aliansce

Estimativa não disponível.

TERÇA (30)

Após o fechamento:

- CSN

O consenso de mercado a siderúrgica é de lucro líquido de R$ 0,57 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,54, o que ficou e linha com o esperado. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 0,03 por ação, abaixo dos R$ 0,07 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 6,74 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 5,69 bilhões de um ano antes, quando a expectativa também era de R$ 5,69 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 6,01 bilhões.

- Eletropaulo

Expectativa não disponível.

- Smiles (SA:SMLS3)

O consenso de mercado para a empresa de programa de fidelidade é de lucro líquido de R$ 1,25 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,92. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 1,14 por ação.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 255 milhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 459,7 milhões de um ano antes. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 241 milhões, o que ficou abaixo do que os R$ 446,47 milhões que eram aguardados.

- TIM

A companhia de telecomunicações deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,14 para cada ação, diante de R$ 0,14 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,15. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,05, também inferior a estimativa de R$ 0,16.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 4,28 bilhões, sendo que um ano antes foi de R$ 4,16 bilhões, cenário que eram esperados R$ 4,18 bilhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 4,19 bilhões, ligeiramente abaixo dos R$ 4,3 bilhçoes que eram esperados.

- CTEEP (SA:TRPL4)

A elétrica deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,70 para cada ação, diante de R$ 1,49 do mesmo trimestre de 2018. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,13.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 900 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 581 milhões, cenário que eram esperados R$ 481,01 milhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 713 milhões, superando os R$ 694 milhões que eram esperados.

- Lojas Renner

O consenso de mercado para a varejista de vestuário é de lucro líquido de R$ 0,35 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,38. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 0,21 por ação acima dos R$ 0,19 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 2,27 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 2,02 bilhões de um ano antes. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 1,89 bilhão, o que ficou acima do que os R$ 1,88 bilhão que eram aguardados.

QUARTA (31)

Antes da abertura

- Vale

O consenso de mercado para a mineradora é de lucro líquido de R$ 2,17 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 04, o que ficou abaixo dos R$ 1,12 esperados na ocasião. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 2,21 por ação, superando aos R$ 1,80 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 36,4 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 32,12 bilhões de um ano antes, quando a expectativa era de R$ 32,85 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 32,56 bilhões, o que ficou melhor do que os R$ 35,65 bilhões que eram aguardados

Após o fechamento:

- Duratex

A companhia deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,06 para cada ação, diante de R$ 0,24 do mesmo trimestre de 2018. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,03.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 1,16 bilhão, sendo que um ano antes foi de R$ 1,17 bilhão, cenário que eram esperados R$ 1,11 bilhão. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 1,07 bilhão, ligeiramente abaixo dos R$ 1,08 bilhão que eram esperados.

- BR Distribuidora

O consenso de mercado para a recém privatizada distribuidora de combustíveis é de lucro líquido de R$ 0,57 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,23, o que ficou acima dos R$ 0,21 esperados na ocasião. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 0,41 por ação, inferior aos R$ 0,42 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 26,64 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 23,6 bilhões de um ano antes, quando a expectativa era de R$ 24,62 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 22,43 bilhões, o que ficou pior do que os R$ 23,04 bilhões que eram aguardados.

QUINTA (1º)

Antes da abertura:

- Gol

O consenso de mercado para a aérea é de prejuízo líquido de R$ 0,01 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de -R$ 3,80, o que ficou abaixo dos -R$ 0,51 esperados na ocasião. Já nos três primeiros meses do ano, as perdas foram de R$ 0,09 por ação, contra lucros de R$ R$ 0,70 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 2,81 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 2,35 bilhões de um ano antes, quando a expectativa era de R$ 2,42 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 3,21 bilhões, o que ficou pior do que os R$ 3,25 bilhões que eram aguardados.

Após o fechamento:

- Petrobras

O consenso de mercado para estatal de petróleo é de lucro líquido de R$ 0,65 por ação, sendo que no mesmo período do ano passado o resultado havia sido de R$ 0,67, o que ficou a cima dos R$ 0,66 esperados na ocasião. Já nos três primeiros meses do ano, o lucro foi de R$ 0,31 por ação, abaixo dos R$ 0,34 esperados.

Para as receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 92,78 bilhões entre abril e junho deste ano, diante de resultado de R$ 85,61 bilhões de um ano antes, quando a expectativa era de R$ 86,04 bilhões. Na abertura de 2019, as receitas foram de R$ 81,06 bilhões, o que ficou pior do que os R$ 82,28 bilhões que eram aguardados.

- Cia. Hering

A fabricante de vestuário deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,38 para cada ação, diante de R$ 0,35 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,34. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,29, em linha com o que era esperado.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 368,81 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 362,15 milhões, cenário que eram esperados R$ 362 milhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 373,94, ligeiramente abaixo dos R$ 363,21 milhões que eram esperados.

- Grendene

Expectativa não disponível.

- Localiza

A locadora de veículos e gestora de frotas deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,29 para cada ação, diante de R$ 0,22 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,31. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,30.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 2,4 bilhões, sendo que um ano antes foi de R$ 1,74 bilhão, cenário que eram esperados R$ 1,8 bilhão. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 2,45 bilhões.

- Log Com

Expectativa não disponível.

- Odontoprev

A operadora de planos odontológicos deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 0,14 para cada ação, diante de R$ 0,11 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,12. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,17, superior a estimativa de R$ 0,16.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 445,5 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 380,1 milhões, cenário que eram esperados R$ 379,42 milhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 446,78, superando os R$ 445,54 milhões que eram esperados.

- Paranapanema

Expectativa não disponível.

SEXTA (2)

Antes da abertura:

- Porto Seguro

A seguradora deve encerrar o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 1,11 para cada ação, diante de R$ 1,03 do mesmo trimestre de 2018, quando eram esperados R$ 0,96. Já entre janeiro e março de 2019, o lucro para cada papel foi de R$ 0,92, inferior a estimativa de R$ 0,93.

Para as receitas, a aposta do mercado é de R$ 3,8 bilhões, sendo que um ano antes foi de R$ 2,45 bilhões, cenário que eram esperados R$ 3,61 bilhões. Já nos três primeiros meses de 2019, as receitas foram de R$ 3,65 bilhões, abaixo dos R$ 3,8 bilhões que eram esperados.

Mais Economia