PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Petróleo e Ouro - Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

08/09/2019 13h21

Por Barani Krishnan

Mais uma semana, outra forte redução nos estoques e o melhor ganho semanal desde julho para a referência de petróleo nos EUA. Tudo isso pode fazer com que o petróleo pareça um vencedor.

A verdade, porém, é que o mercado de petróleo está em um ponto de inflexão em que nem o touro nem o urso provavelmente podem dizer com muita precisão para onde as coisas estão indo.

Em face disso, a recente história de contos de fadas da queda dos estoques em volumes épicos nos Estados Unidos deve se desdobrar a partir daqui, dado o final do período de pico de consumo do verão do Hemisfério Norte.

No entanto, em vez de subir a partir de setembro, em alguns anos, os estoques de petróleo continuaram caindo até outubro. No ano passado, por exemplo, após a diminuição de 5,8 milhões de barris na penúltima semana de agosto, por quatro semanas seguidas os estoques continuaram a cair, acumulando 14,2 milhões de barris.

Portanto, entre os compradores de petróleo há forte expectativa de quedas de 10 milhões barris após quase 5 milhões de barris nas últimas duas semanas vão continuar, embora em menor proporção.

Isso é uma coisa boa para touros de petróleo.

Agora, para a parte dos ursos: a guerra comercial dos EUA com a China, até onde se sabe, está longe de terminar.

Embora o ganho desta semana em petróleo tenha sido parcialmente devido à euforia de Washington e Pequim reiniciarem as negociações em outubro, a história mostrou que essas conversas geralmente terminam por deixar ambos os lados em piores posições do que antes e que as tarifas apenas aumentam.

Em 1º de setembro, o governo Trump começou a impor uma tarifa de 15% sobre uma série de importações chinesas, depois de a China impor um imposto de 5% sobre o petróleo bruto dos EUA - pela primeira vez. Os Estados Unidos também planejam aumentar para 30% a partir de 1º de outubro o imposto de 25% aplicado às importações chinesas no valor de US$ 250 bilhões.

Tudo isso deixa a recessão muito viva para os investidores globais. Portanto, os "ursos de demanda" também permanecem influentes no petróleo, criando a volatilidade ioiô observada ao longo de agosto.

Na próxima quinta-feira, o Comitê Conjunto de Monitoramento Ministerial da Opep se reúne em Abu Dhabi para revisar os cortes de produção de 1,2 milhão de barris por dia que o cartel e seu principal aliado, a Rússia, realizam desde dezembro. Após a revisão, o comitê também recomendará à alta liderança da Opep o que mais precisa ser feito para aumentar os preços do petróleo. Isso pode significar mais oscilações do mercado, já que os investidores tentam interpretar suas declarações.

Em relação ao ouro, a situação também está complicada por muito tempo, já que a iminente reunião do Federal Reserve entre 17 e 18 de setembro torna os investidores inseguros sobre o que fazer até então. O Fed reduzirá as taxas novamente como em julho? Ou vai ficar igual desta vez? O patamar de US$ 1.500 do ouro depende muito desse resultado. A decisão da taxa do Banco Central Europeu na próxima semana também ajudará a moldar a direção do ouro.

Resumo de energia

Os comerciantes de petróleo estão com lupa lendo as letrinhas miúdas, depois da promessa do chefe do Fed, Jerome Powell, de apoiar o crescimento econômico dos EUA ter ajudado os preços do petróleo na sexta-feira a seu ter maior ganho semanal desde julho.

O ganho semanal de 2,6% ocorreu com o declínio forte dos estoques dos EUA e o prometido recomeço das negociações comerciais também enfrentou um declínio sazonal iminente na demanda de petróleo, em meio a sinais de que alguns membros da Opep estavam superproduzindo.

Os comentários de Powell na sexta-feira em Zurique de que ele viu poucas chances de recessão a qualquer momento logo ajudaram a elevar os preços das ações e a se espalhar para os mercados de petróleo.

O petróleo bruto West Texas Intermediate, negociado em Nova York, a mistura de referência dos EUA, fechou em US$ 56,52 por barril. Na semana, subiu 2,6%, o maior avanço semanal desde julho.

A combinação da referência internacional negociada em Londres, o petróleo Brent, estendeu sua posição acima do nível principal de US$ 60, para US$ 61,47.

Desde agosto, o petróleo bruto foi castigado pela volatilidade, com movimentos diários de mais de 2% sendo o novo normal.

O banco suíço UBS disse na semana passada que a perspectiva de piora da demanda levaria o Brent a atingir US$ 55.

Enquanto isso, o Commerzbank (DE:CBKG), de Frankfurt, cortou suas previsões de petróleo Brent em US$ 5 por barril, para uma média de US$ 60 até o final de 2020.

O WTI "deveria estar apenas 'assentado' em US$ 55 na minha opinião e provavelmente US$ 59 para o Brent", Scott Shelton, corretor de futuros de energia da ICAP em Durham, NC, disse em um e-mail para o Investing.com.

"Mas o ruído gerado pelas negociações sistemáticas do CTA e os 'negócios doloridos gerados por algoritmos' estão impulsionando o mercado a reagir ao quadro macro, que na minha opinião é amplamente discutida no espaço de petróleo no curto prazo, até que possamos obter um melhor entendimento do crescimento da oferta em 2020 ".

Calendário de energia para uma semana que vem

Segunda-feira, 9 de setembro

Estoques de petróleo bruto do Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 10 de setembro

O Instituto Americano de Petróleo deve publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quarta-feira, 11 de setembro

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 12 de setembro

Relatório semanal de gás natural da EIA

Reunião do Comitê Ministerial Conjunto de Monitoramento da Opep

Sexta-feira, 13 de setembro

Contagem semanal de sondas da Baker Hughes

Resumo de Metais Preciosos

O ouro registrou sua segunda perda semanal consecutiva nesta sexta-feira, aproximando-se do principal patamar de US$ 1.500, depois que o chefe do banco central dos EUA minimizou as perspectivas de recessão na maior economia do mundo.

O ouro spot, reflexo de negociações em barras de ouro, negociadas pela última vez a US$ 1.507 a onça na sexta-feira, tiveram queda de 0,9% no dia após o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ter dito que a situação mais provável era que os EUA continuassem crescendo moderadamente. O ouro perdeu 2,2% na quinta-feira com seu maior declínio de um dia em 2019.

Os futuros do ouro para entrega em dezembro foram de US$ 1.515,50 por onça na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, também em queda de 0,9% na semana.

Na sessão de quarta-feira, o ouro de dezembro atingiu uma alta de mais de seis anos, de US$ 1.566,15. O ouro de dezembro caiu 2,2% na quinta-feira, a maior queda desde janeiro.

Com os declínios de quinta e sexta-feira, futuros do ouro terminaram em queda pela segunda semana consecutiva.

Dezenas de investidores, de daytrader a fundos de hedge e instituições de bilhões de dólares, haviam se voltado para ouro nos últimos meses, procurando um hedge contra o colapso dos rendimentos dos títulos, fluxo de moeda e mercado de ações, taxas globais indefinidas, o susto e a recessão do Brexit e os temores sobre a guerra comercial EUA-China.

A sugestão de Powell de que os EUA podem ser à prova de recessão desmentiu pelo menos um pilar para o apoio ao ouro este ano, embora o cabeça do Fed também tenha mantido esperanças vivas por outro corte na taxa dos EUA, dizendo que o banco central estava pronto para "agir conforme apropriado" para apoiar o expansão da economia americana.

"A recessão não é um resultado provável para os EUA ou para a economia global", disse Powell, pois o relatório de empregos do país para agosto ficou menos robusto do que o esperado.

Os comentários de Powell vieram antes da reunião de política de dois dias do Fed, programada para 17 e 18 de setembro.

O Fed diminuiu 25 pontos base em sua última reunião de política em agosto e deve fazer o mesmo em setembro, elevando as taxas a um intervalo entre 1,75% e 2%. A Ferramenta Monitor de Taxa Fed no Investing.com está dando uma chance de 92% até agora para outro corte de 25 pb.

Se isso acontecer, o ouro poderá recuperar o pique para uma caminhada ascendente, possivelmente para um território de US$ 1.600. Se o Fed ficar estável, o suporte de US$ 1.500 poderá se tornar bastante tênue.

A decisão da taxa do Banco Central Europeu na próxima quinta-feira, enquanto isso, dará uma direção ao ouro.