PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Demissão de Bolton da assessoria de política exterior dos EUA derruba petróleo

10/09/2019 09h48

Nota do editor: O texto inicialmente foi ao ar sem a menção da demissão de John Bolton da assessoria de política externa dos EUA, assim não fazendo relação com o título da notícia. Por isso, pedimos desculpas aos nossos leitores pelo erro. Às 17:57 foi acrescentada a informação que condiz com o título da matéria.

Os preços do petróleo sofreram uma forte queda após tweet do presidente dos EUA Donald Trump anunciando a demissão do assessor de política exterior John Bolton. Trump justifica a demissão por forte divergência de ideias entre ele e Bolton, que é responsável pela retórica forte e belicista contra Irã e Venezuela, países exportadores de petróleo sob sanção dos EUA.

A notícia derrubou o preço do petróleo em uma sessão marcada pelas máximas de 6 semanas, que eram impulsionadas com a expectativa de extensão dos cortes na oferta por países produtores de petróleo reunidos na Opep e de aliados da organização. No entanto, a saída de Bolton pode sugerir uma distensão ao tom duro contra Venezuela e Irã, o que gera expectativa de aumento da oferta nos próximos meses.

Às 13h25, o petróleo WTI, negociado em Nova York, operava em baixa de 0,33% a US$ 57,66, enquanto o Brent, referência mundial fora dos EUA, ainda apresentava uma leve alta de 0,30% a US$ 62,75.

Como estava a sessão antes da demissão de Bolton

Os preços do petróleo subiam para seus níveis mais altos em seis semanas nesta terça-feira, reforçados pelas esperanças de que a OPEP e seus aliados concordassem em estender um acordo para reduzir a produção, a fim de apoiar os preços.

A referência internacional, o petróleo Brent subia 55 centavos a US$ 63,16 por barril às 9h23, seu nível mais alto desde 1º de agosto. Os futuros de petróleo bruto WTI subiam 56 centavos, ou 1,0%, a 58,42 dólares por barril, o maior valor desde 31 de julho.

Os preços estavam no caminho certo para o quinto dia consecutivo de ganhos, depois que o novo ministro da Energia da Arábia Saudita reiterou neste domingo o compromisso com os cortes de produção da aliança OPEP+, formada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e por produtores não OPEP, incluindo a Rússia.

Ele disse que a política do Reino não mudaria e que seria mantido um acordo global para reduzir a produção de petróleo em 1,2 milhão de barris por dia. Ele acrescentou que a aliança continuará em vigor a longo prazo.

"Claramente, o Reino quer preços mais altos do petróleo ... o príncipe Abdulaziz deixou claro que uma mudança 'radical' na política de petróleo da Arábia Saudita está próxima", disse Tamas Varga, da corretora de petróleo PVM.

"Será interessante ver se temos alguma dica dele para o grupo de produtores em geral e a Arábia Saudita em particular vê a necessidade de cortes mais profundos na produção".

O comitê conjunto de monitoramento ministerial da OPEP+ (JMMC), que informa sobre o cumprimento dos cortes, deve se reunir na quinta-feira em Abu Dhabi.

Houve preocupações com a adesão dos produtores ao acordo, já que os membros da OPEP como o Iraque e a Nigéria, entre outros, excederam sua cota em agosto e a Rússia também não o cumpriu totalmente.

"Os mercados precisarão ver progressos concretos na frente da produção, mesmo com a desaceleração da economia mundial, para sustentar os ganhos", disse Jeffrey Halley, analista sênior de mercado da OANDA.

Se o mercado de petróleo fechar mais alto na terça-feira, será o maior ganho desde o final de julho, mas os ventos permanecem devidos às tensões comerciais EUA-China.

O Instituto Americano de Petróleo divulgará seu relatório semanal estoques de petróleo ainda na terça-feira, depois que um estoque surpresa aumentou na semana passada, surpreendendo os analistas. O relatório da Administração de Informações sobre Energia dos EUA em relação os estoques de petróleo bruto deve ser divulgado na quarta-feira.

- A Reuters contribuiu para esta matéria.