PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Petróleo e Ouro - Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

15/09/2019 13h54

Por Barani Krishnan

Donald Trump demitiu seu conselheiro de segurança nacional John Bolton, mas os houthis podem ter acendido um pavio ainda maior sob o maior filão de petróleo mundial - a Arábia Saudita.

Os ataques de drones de sábado que fecharam o complexo de processamento de petróleo Abqaiq do reino e o campo de petróleo de Khurais podem impactar a produção de até quase 5 milhões de barris de petróleo por dia, ou 5% da oferta mundial diária, se forem confirmados os relatos iniciais.

Mas as primeiras informações são inconclusivas, destinados a saciar o desejo de uma sede de notícias por qualquer detalhe em um grande evento antes da chegada de informações mais críveis e verificadas.

De acordo com análises iniciais, os ataques podem encerrar uma potencial negociação entre EUA e Irã, e o fim das sanções que tragam o petróleo de Teerã de volta ao mercado. Algumas dessas especulações dependem, é claro, da responsabilidade do Irã pelos graves ataques de sábado, questionada pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em um tuíte. Os rebeldes houthis, apoiados pelo Irã na batalha do Iêmen, contra a Arábia Saudita, assumiram a responsabilidade pelos ataques e disseram que virão mais.

Para dizer a verdade, é Trump, não Pompeo, quem decidirá o que acontece com as sanções ao Irã. Quase 24 horas após os ataques, o presidente, curiosamente, não tuitou uma resposta sobre o assunto.

As instalações de petróleo sauditas fechadas, juntamente com sua produção, poderiam se recuperar rapidamente. Mas o que acontece com o preço do petróleo é outra questão. Isso é especialmente verdade agora com os sauditas desesperados para aumentar os preços do petróleo, de alguma forma, para elevar as avaliações do IPO de sua empresa estatal de petróleo Aramco.

A referência americana, o petróleo bruto WTI encerrou a semana com perdas de 3%, a maior queda semanal desde meados de julho. O Brent caiu 2% na semana, o máximo em cinco semanas. Espera-se uma grande manifestação na segunda-feira no noticiário saudita e maior volatilidade depois disso, já que os iranianos prometeram maximizar sua própria produção se conseguirem uma pausa nas sanções.

Quanto ao ouro, a grande história ainda é o corte de taxa de quinta-feira e a flexibilização quantitativa anunciada pelo Banco Central Europeu, e o que isso significa para a política monetária do Federal Reserve que se reúne de 17 a 18 de setembro. Mas se o petróleo valorizar muito na segunda-feira, espere que o ouro suba também na compra de portos-seguros.

Resumo semanal de energia

Comparado à festa gerada pelas duas grandes quedas nos estoques de petróleo bruto dos EUA no final de agosto, o conjunto de dados semanal da quarta-feira do EIA mal trouxe alegria aos touros de petróleo.

Depois que a redução de 7 milhões de barris levou o WTI a máximas de 6 semanas de US$ 58,29 e o Brent a US$ 63,26, o mercado afundou em reação à queda de Bolton, o maior falcão do governo Trump no Irã.

Na quinta-feira, o novo ministro da Energia saudita, Prince Abdulaziz bin Salman, disse à aliança de produtores da Opep+, que inclui a Rússia, que o reino continuaria a cumprir voluntariamente os cortes de produção de petróleo acordados pelo grupo.

Anteriormente, em seu relatório mensal divulgado nesta quarta-feira, a Opep previa que a demanda por seu petróleo próprio chegaria a 29,4 milhões de barris por dia em 2020, uma queda de 1,2 milhão de barris/dia neste ano. O petróleo bruto dos EUA tornou-se o principal concorrente de exportação para o petróleo da Opep este ano, movimentando cerca de 3 milhões de bpd nas últimas semanas.

Presidindo a reunião do painel da aliança da Opep, o príncipe Abdulaziz disse que a produção de Riad em outubro seria de 9,890 milhões de barris, e que cortes mais profundos na produção serão discutidos na reunião ordinária da Opep em novembro.

Deixando a Opep de lado, a Agência Internacional de Energia com sede em Paris também alertou sobre um excesso global de petróleo na quinta-feira, dizendo que os prêmios de risco e as ameaças ao fornecimento foram significativamente reduzidos à medida que as tensões no Golfo do Oriente Médio diminuíram e as operações da indústria de petróleo pareciam estar se normalizando.

Calendário de energia para a semana que vem

Segunda-feira, 16 de setembro

Estimativa de estoque de petróleo bruto do Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 17 de setembro

O Instituto Americano de Petróleo deve publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quarta-feira, 18 de setembro

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo

Decisão de política monetária do Federal Reserve dos EUA

Quinta-feira, 19 de setembro

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 20 de setembro

Contagem semanal de sondas da Baker Hughes

Resumo semanal de Metais Preciosos

O BCE apresentou um corte nas taxas conforme o esperado, mas o ouro ainda não pôde brilhar na semana passada, pois o progresso percebido nas negociações entre EUA e a China - o que quer que isso signifique - deu um novo golpe no metal amarelo.

Os futuros de ouro dos EUA para entrega em dezembro fecharam em US$ 1.499,50 por onça na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, perdendo 1,1% na semana. Foi a terceira queda semanal consecutiva de futuros de ouro e o maior declínio semanal desde abril.

O ouro spot, reflexo de negociações em barras de ouro, também permaneceu abaixo do nível principal de US$ 1.500. A commodity fehou a US$ 1.488,74, com queda de 1,2% na semana, a pior desde o final de março.

As preocupações econômicas globais ficaram em segundo plano durante a semana após as concessões comerciais dos Estados Unidos e da China e os últimos comentários do presidente Donald Trump de que ele estava potencialmente aberto a um acordo comercial provisório com a China.

"Isso não significa que teremos um acordo comercial, mas talvez a possibilidade de os EUA e a China adiarem novas tarifas e possivelmente até relaxar algumas das tarifas que já estão em vigor", Peter Cardillo, economista-chefe de mercado da Spartan Capital Securities, em Nova York, que declarou à Reuters. "É um mercado de esperança. Uma esperança de uma resolução cosmética".

Na quinta-feira, o ouro parecia estar em um novo patamar mais alto depois que o Banco Central Europeu reduziu sua taxa de depósito para um nível recorde de -0,5%, prometendo que as taxas permaneceriam baixas por mais tempo e disse que reiniciaria as compras de títulos a uma taxa de 20 bilhões de euros por mês a partir de 1º de novembro.

Essa ação da zona do euro pressiona o Federal Reserve dos EUA, que realiza sua reunião mensal de política de 17 a 18 de setembro, a responder com medidas dovish de seu próprio tipo.

Mas a noção de melhora das relações comerciais sino-americanas, juntamente com as vendas no varejo mais fortes do que o esperado e os dados de opinião do consumidor de agosto, impediram o ouro de abrir novos caminhos na sexta-feira. Os dados econômicos melhores, em particular, reduzem as esperanças de um corte de 50 pontos base nas taxas do Fed na próxima semana. De acordo com a ferramenta de monitoramento de taxas do Fed do Investing.com, o mercado ainda vê 78,5% de chance de um corte de um quarto de ponto pelo banco central dos EUA.

"A sinalização de cortes adicionais este ano será o principal fator" para o ouro, disse a TD Securities em nota sobre metais preciosos compartilhada com o Investing.com.

"Uma falha em deixar a porta aberta para cortar ainda mais, e o dot-plot que não mostra demandas crescentes por cortes de 75 pontos base neste ano pode ser considerado uma decepção para o metal amarelo", disse o banco e o grupo canadense de corretagem.

Mas, embora possa haver decepção no curto prazo, quaisquer quedas devem ser superficiais, acrescentou a TD Securities. "A fraqueza econômica latente, a inclinação dovish do banco central e a escassez de ativos de refúgio ainda sugerem que o caminho de menor resistência ao ouro e amigos é maior."