PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Petróleo tem maior alta em quase 30 após ataques de drones a refinarias sauditas

16/09/2019 17h42

O mercado de petróleo teve sua maior alta em quase 30 anos na segunda-feira (16), com os preços disparando mais de 14% depois que as instalações de petróleo da Arábia Saudita foram atacadas.

O petróleo WTI, negociado em Nova York, subiu para US$ 62,90, uma disparada de US$ 8,05 ou 14,8%. Desde o início das negociações de segunda-feira na Ásia, o WTI atingiu a máxima de US$ 63,47, um ganho intradiário de 15%.

Já o petróleo Brent crude, referência global fora dos EUA e cotado em Londres, fechou em US$ 69,02, um salto de US$ 8,80, ou quase 14,6%, chegando à máxima de US$ 64,83 no início da sessão, um ganho de 19%.

Esses foram os maiores ganhos intradiários desde a Guerra do Golfo de 1991, que provocaram picos brutos depois que os EUA entraram em batalha com o Iraque para libertar o Kuwait da invasão de Saddam Hussein.

"O impacto e o próximo curso de ação dependerão da duração da interrupção", disse Vima Jayabalan, diretor de pesquisa da consultoria de energia Wood Mackenzie.

Mackenzie acrescentou: "A Arábia Saudita tem reservas suficientes para cobrir o déficit na próxima semana, mas se a interrupção se estender, preencher a lacuna com o tipo certo de qualidade do petróleo pode ser um desafio. Além disso, o corte da produção da OPEP+ consiste predominantemente de petróleo bruto médio e pesado. "

Os ataques baseados em drones no principal complexo de processamento de petróleo da Arábia Saudita, Abqaiq, e o vizinho campo de petróleo de Khurais, ocorridos no sábado, reduziram pela metade a produção bruta do Reino pela metade e a oferta mundial diária em 5%.

O The Wall Street Journal citou inicialmente autoridades sauditas não identificadas dizendo que os sauditas esperam ter um terço da produção, ou 2 milhões de barris por dia, restaurado na segunda-feira e reequilibrar a oferta nos próximos dias. Mas a Reuters citou duas fontes da empresa de petróleo Aramco, do Reino saudita, dizendo que um retorno total aos volumes normais de produção "pode ??levar meses".

Além do dilema dos investidores, a Arábia Saudita e seu principal aliado, os Estados Unidos, planejavam responder aos ataques. Os rebeldes houthis do Iêmen assumiram a responsabilidade pelos ataques, mas as autoridades americanas acusaram esmagadoramente o Irã.

O presidente Donald Trump, que disse que está aberto a manter conversações com Teerã para resolver o conflito de sanções de seu próprio país com a República Islâmica, se recusou a nomear o Irã como suspeito, embora ele tenha dito que os EUA estão "trancados e carregados" para responder.

A manifestação de segunda-feira saiu do pico do mercado depois que Trump disse que havia instruído a liberação de suprimentos de emergência de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA. Não se sabe quanto do petróleo bruto de SPR será necessário para estabilizar os suprimentos globais após os ataques sauditas. O complexo de processamento de Abqaiq afetado e o campo de petróleo de Khurais no reino representavam quase 6 milhões de barris por dia de produção.

Outro fator que arrefeceu o rali bruto foi a queda de Wall Street, com as ações das companhias aéreas caindo sobre preocupações com o combustível de aviação mais caro, mesmo com as ações das companhias de petróleo subindo.

No Brasil, as ações da Petrobras tiveram uma forte alta com os desdobramentos dos ataques. As preferenciais (SA:PETR4) saltaram 4,39% a R$ 28,06, enquanto as ordinárias (SA:PETR3) tiveram ganhos de 4,52% a R$ 31,00.