PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Stockbeat: AB Inbev atinge maior alta no mês na Ásia com IPO 2.0

17/09/2019 10h25

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.

A Anheuser Busch Inbev (BR:ABI), a cervejaria de tudo, de Budweiser a Stella Artois e Beck's, reiniciou o processo de IPO para seus negócios asiáticos, de acordo com o The Wall Street Journal.

A notícia foi suficiente para elevar as ações em 1,5% no início das negociações na Europa para a maior cotação em mais de um mês. É o dia em que a maioria dos mercados estava cautelosa após os ataques à Arábia Saudita e antes da reunião de dois dias do Federal Reserve.

Às 6h15 (horário de Brasília), o Stoxx 600 caía menos de 0,1%, assim como o alemão DAX. O FTSE 100 do Reino Unido subia 0,3%, em grande parte como um reflexo da queda mais recente da libra esterlina.

O IPO asiático deve ser reduzido: depois de não concordar com os investidores na avaliação pela primeira vez, a empresa retirou os negócios maduros da Austrália e o vendeu para a japonesa Asahi por US$ 11,3 bilhões.

O que restou foi uma entidade menor, mas de crescimento mais rápido e mais focada na China. Segundo o WSJ, a cervejaria está agora buscando uma avaliação geral de US$ 45,6 bilhões a US$ 50,7 bilhões. O ponto médio desse intervalo é de cerca de 35 vezes os ganhos estimados do próximo ano, acrescenta o jornal.

O volume do IPO pode chegar a US$ 4,84 bilhões. Mesmo após a cirurgia para interromper as operações na Austrália, isso ainda pode deixar o acordo como a segunda maior IPO do mundo este ano após a da Uber Technologies (NYSE:UBER). (A competição por esse título é com a controladora da WeWork pode estar diminuindo após a We Company ter adiado seu IPO em potencial por pelo menos um mês.)

Até a nova avaliação pode parecer ambiciosa para alguns. Os investidores em potencial estão sendo convidados a apostar no que é agora um projeto beta muito mais alto, onde as perspectivas de crescimento mais rápido das vendas devem ser pesadas em relação ao risco macroeconômico chinês - especificamente na forma de risco cambial. Após quatro anos de estabilidade da taxa de câmbio gerenciada diligentemente, a China deixou o iuan cair mais de 3% este ano em relação ao dólar. Para onde ele deve ir no caso de uma guerra comercial de pleno direito e uma crise de crédito chinesa está longe de ser certa - mesmo que Pequim tenha um forte interesse em impedir uma depreciação adicional do iuan à luz do alto endividamento do dólar pelas empresas chinesas.

No entanto, qualquer coisa que reduza o ônus da dívida da empresa é bem-vinda à administração da AB Inbev - e, aparentemente, também a seus acionistas.