PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Moedas - Euro acima de mínima do ano; Libra cai com sinalização de queda de juros

27/09/2019 04h52

O euro estava flutuando acima de sua nova mínima de 2019 em relação ao dólar no início das negociações desta sexta-feira, com as preocupações com crescimento e inflação mantendo a moeda única na defensiva, assim como uma nova onda de medo sobre um Brexit desordenado no final do próximo mês.

Enquanto isso, a libra caía cerca de meio centavo em relação ao dólar e um pouco menos em relação ao euro depois que Michael Saunders, o falcão-chefe do Conselho de Política Monetária do Banco da Inglaterra, disse que a incerteza econômica persistentemente alta justifica taxas de juros mais baixas. Ele acrescentou que um Brexit sem acordo pode tornar isso impossível.

As quedas no euro e a libra esterlina nesta semana levaram o índice dólar ao seu maior nível em três semanas. Às 4h45, estava em 98,917, um pouco abaixo da máxima noturna de 98,958.

O euro caiu para US$ 1,0905 durante a noite no horário asiático e agora caía 4,6% em relação ao dólar no acumulado do ano, o pior desempenho de todas as principais moedas. Às 4h45 da manhã, estava em US$ 1,0922, pouco alterado em relação aos níveis da quinta-feira.

Analistas do Landesbank Hessen-Thueringen disseram em nota nesta sexta-feira que se a recente formação de fundo duplo em US$ 1,0925 for convincentemente quebrada, o euro poderá se estabelecer em uma faixa de negociação entre US$ 1,0870 e US$ 1,0970.

Dados recentes na manhã de sexta-feira enfatizaram a pressão desinflacionária contínua decorrente da depreciação do iuan e da queda dos preços do petróleo. Os preços das importações alemãs, um indicador antecipado de tendências inflacionárias mais amplas, caíram 0,6% em agosto, muito mais do que a previsão de 0,3%, levando a queda na comparação anual para 2,7%, em comparação a 2,1% em julho. Os dados da inflação do consumidor francês também ficaram abaixo das expectativas.

Os números chegam apenas um dia depois que Sabine Lautenschlaeger renunciou ao cargo de diretora do Banco Central Europeu, uma medida que alguns disseram ter sido motivada pela oposição à decisão do presidente Mario Draghi de reiniciar a flexibilização quantitativa em novembro. A própria Lautenschlaeger não foi muito explícita sobre os motivos de sua partida. Além disso, o economista-chefe do BCE, Philip Lane, deu a entender que o banco ainda tem espaço para mais flexibilização monetária quando sua nova presidente Christine Lagarde assumir o cargo em novembro.