PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias sobre o mercado nesta segunda-feira

30/09/2019 08h19

O presidente dos EUA Donald Trump se manifesta contra o delator e os preparativos para o 70º aniversário da República Popular na China são ofuscados por mais violência em Hong Kong e por preocupações persistentes sobre os planos relatados para limitar os investimentos americanos em empresas chinesas. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta segunda-feira, 30 de setembro.

1. Delator testemunhará 'em breve', diz Schiff

O denunciante que está no centro da investigação de impeachment contra o presidente Donald Trump testemunhará no Congresso "em breve", mas de maneira a proteger sua identidade, disse o presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff, à ABC no domingo.

No fim de semana, Trump repetiu suas acusações de que ele havia sido "espionado" e disse que queria conhecer seu acusador, bem como a "pessoa que ilegalmente deu essa informação". O relatório de denúncias na semana passada citou várias fontes, deixando claro que seu autor não era um dos funcionários da Casa Branca ouvindo a ligação.

2. Festa do partido chinês azeda

A China está se preparando para fechar por uma semana para comemorar o 70º aniversário da tomada do poder pelo Partido Comunista. As celebrações formais começam na terça-feira.

Para marcar a ocasião, os manifestantes em Hong Kong intensificaram suas atividades no fim de semana, com marchas marcadas por violentos confrontos e coquetéis molotov, por um lado, e gás lacrimogêneo, balas de borracha e canhões de água, por outro.

Também no fim de semana, as autoridades americanas descartaram uma reportagem de sexta-feira, dizendo que o governo estava considerando limites ao investimento de portfólio dos EUA na China - embora não houvesse uma negação total da informação.

3. Ações programadas para abrir em alta

O retorno parcial da história da proibição de investimentos na China está ajudando Wall Street a ter uma abertura mais alta, embora os mercados possam estar suscetíveis a um pouco de números de "vitrine" antes do final do trimestre.

Às 8h13, futuros do Dow subiam 51,5 pontos, ou 0,2%, enquanto o S&P 500 futuro subia 6,87 pontos ou 0,23%. Os futuros do Nasdaq 100 aumentavam 0,35%.

Da mesma forma, o rendimento dos títulos aumentou um pouco. O rendimento do Tesouro dos EUA de 30 anos subia dois pontos-base em relação ao final da sexta-feira em 2,15%.

O bitcoin, por outro lado, caía abaixo de US$ 8.000, para o menor nível em quase quatro meses, continuando a tendência de baixa após o lançamento de um novo contrato futuro de entrega física que parece ter exposto problemas de confiabilidade com preços de outras exchanges de criptomoedas.

4. A Europa mostra um mercado de trabalho surpreendente

As ações foram ajudadas por uma rara surpresa positiva nos dados europeus na segunda-feira.

A taxa de desemprego ajustada sazonalmente na zona do euro teve uma mínima de 11 anos em 7,4% em setembro, graças a uma grande queda na Itália e um declínio ainda mais importante de 10.000 na Alemanha.

Isso acalmou os temores de que o aprofundamento da desaceleração da indústria na maior economia da Europa se espalhasse pelo mercado de trabalho mais amplo.

Os dados nacionais de inflação em toda a Europa ainda ficaram mais fracos do que o esperado, no entanto.

5. Johnson instável pressiona a libra esterlina

A libra permaneceu sob pressão quando o governista Partido Conservador iniciou sua conferência anual em um cenário de crescentes acusações de impropriedade contra o primeiro-ministro Boris Johnson.

Reportagens do fim de semana revelaram insinuações anteriores de que Johnson teve um caso com uma empresária americana cujas empresas receberam mais de 110.000 libras (137.000 dólares) em subsídios do governo, enquanto outras matérias da imprensa alegam que ele agrediu sexualmente duas jornalistas no mesmo evento há 20 anos.

Johnson nega todas as acusações.

No fundo, os partidos da oposição e os parlamentares rebeldes conservadores continuam trabalhando em seus planos para um "governo de unidade nacional" que provavelmente chamaria um segundo referendo sobre o Brexit se e quando derrubar o governo minoritário de Johnson com um voto de desconfiança.