PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

IMC recua em trimestre desafiador e com lucro de R$ 19,7 milhões

11/11/2019 11h40

A International Meal Company (SA:MEAL3) (IMC) reportou que encerrou o terceiro trimestre do ano com lucro líquido foi de R$19,7 milhões, 48,6% acima dos R$13,3 milhões do mesmo período do ano passado. A companhia avalia que o intervalo foi desafiador, impactado por eventos não recorrentes, além da conclusão do acordo de incorporação com as marcas Pizza Hut e KFC no Brasil

Diante disso, por volta das 11h38, os papéis tinham queda de 0,29% a R$ 6,94.

As vendas nas mesmas lojas (SSS) consolidadas do trimestre foram -4,6%, com a receita líquida total atingindo R$ 424,8 milhões (-4,8% ) e lucro bruto de R$ 149,1 milhões (35,1% de margem, -0,8p.p. A/A).

Já o EBITDA Ajustado foi de R$ 55,4 milhões (-7,1% contra o 3T18), representando uma margem de 13,0%, uma queda de 0,4p.p. na comparação anual. No caso do fluxo de caixa operacional, seguiu no patamar de 71,8% do EBITDA ajustado, acima dos 69,7% do 3T18.

No trimestre, eventos não recorrentes impactaram nas operações no Brasil e nos EUA em aproximadamente R$ 9,7 milhões no EBITDA: no Brasil, como despesas extras (aproximadamente R$ 3,9 milhões) com produção terceirizada, tendo em vista a construção da Cozinha Central, e o impacto da saída da Avianca (aproximadamente R$ 1,9 milhões) do mercado (outras companhias aéreas deverão preencher o espaço deixado pela Avianca), e nos EUA, o furacão Dorian (aproximadamente R$ 3,9 milhões).

Para o BTG Pactual (SA:BPAC11), os números fracos já eram esperados, com um cenário desafiador na maioria das divisões da IMC. Com a empresa divulgando seu plano de expansão para os próximos anos (especialmente para os banners KFC e Pizza Hut), o banco planeja revisar nossos números em breve para incorporar as novas perspectivas de crescimento da IMC, que poderiam gerar valor para as ações.

Negociando a 6,2x EV / EBITDA 2020 (com IFRS16), mesmo antes de incorporar Pizza Hut e KFC nos números do BTG (SA:BPAC11), a equipe vê uma melhora nos níveis atuais, considerando os benefícios de uma perspectiva econômica mais benigna e o plano de expansão da empresa em sua divisão de Estradas, sustentando a classificação de compra.

Economia