PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Petróleo e Ouro - Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

24/11/2019 09h55

Por Barani Krishnan

No início desta semana, escrevemos que os modelos algorítmicos de negociação a partir de leitura de manchetes procurarão algo remotamente positivo no acordo comercial para continuar a elevar os preços do petróleo. Esquecemos de acrescentar outra coisa que está no léxico dos algoritmos do petróleo bruto por muito mais tempo: a Opep.

A especulação de que o cartel de petróleo e seus aliados tirem um coelho da cartola na reunião de dezembro para de alguma forma elevar os preços do petróleo está subindo desde a semana passada, porque é essencialmente isso que a Opep faz: impulsionar o mercado.

Depois de dois dias de severas preocupações com a demanda, à medida que os robôs e os humanos se davam conta de que um acordo comercial iminente era pouco mais do que besteira, a Opep tomou a decisão. Com um vazamento de notícias no quarto dia para a Reuters por meio de uma fonte anônima, o cartel enviou a mensagem que guardou para dezembro: que o pacto atual que tinha com seus aliados para reduzir a produção em 1,2 milhão de barris por dia será estendido até junho.

Grande coisa... os ursos de petróleo poderiam ter pensado, dado que a expectativa real era que a Opep aprofundasse os cortes além dos 1,2 milhão de barris por dia. Mas os touros de petróleo de fato aceitaram a revelação da Reuters como um "grande negócio". O próprio presidente russo Vladimir Putin deu credibilidade à história - de que, como maior aliado da Opep, Moscou dará apoio incondicional aos cortes na produção. A verdade é que a Rússia quebrou quase todas as promessas feitas à Opep no passado sobre cortes de produção.

Seja como for, entre quarta e quinta-feira, os preços do petróleo subiram 5%, encerrando uma semana volátil apenas no positivo. O WTI foi negociado a US$ 57,77 por barril, enquanto o Brent fechou em US$ 63,39.

Já o ouro se estabilizou com um declínio modesto na semana, enquanto os comerciantes tentavam ficar acima da briga constante entre as negociações EUA-China que enviavam todo tipo de sinais conflitantes ao mercado.

Retrospectiva de Petróleo

A Opep tem alguma coisa para falar em dezembro, devido ao vazamento de seu plano de estender até junho os cortes existentes de 1,2 milhão de bpd?

Certamente, o cartel terá muito a dizer, se não sobre a demanda por seu próprio petróleo, pelo menos sobre o que prevê a queda na produção de xisto - seu principal rival.

O secretário-geral da Opep, Mohamed Barkindo, abriu a pregação contra o shale na semana passada, dizendo que depois de conversar com "vários produtores, especialmente no shale, há uma preocupação crescente de que a queda está quase se transformando em uma rápida desaceleração".

Barkindo acrescentou que essas empresas "estão nos dizendo que provavelmente somos mais otimistas do que aqueles que estão considerando a variedade de desafios contrários que estão enfrentando".

Na realidade, o que a Opep precisa abordar é a persistente superprodução em série como de Nigéria e Iraque - até mesmo aliados não-Rússia - que torna um desafio para o líder de fato do cartel, a Arábia Saudita, manter os 1,2 milhões de barris por dia. Com a mega venda de ações da Aramco, a empresa estatal de petróleo da Arábia Saudita, pronta para acontecer, o reino prefere impor o pacto de produção existente e, de alguma forma, manter os preços altos, sem entrar em cortes mais profundos.

E ajudando a narrativa de uma desaceleração no shale pode estar as próprias empresas de perfuração dos EUA.

Embora a contagem da plataforma de petróleo dos EUA tenha caído pela quinta semana consecutiva na semana passada, em meio a cortes contínuos de investimentos anunciados pelas perfuradoras nas previsões trimestrais, os desenvolvimentos divulgados relativos a uma grande petrolífera foram impressionantes.

A Chevron (NYSE:CVX), a segunda maior empresa de petróleo e gás dos EUA, está planejando um grande exercício de corte de custos que sacudiria particularmente suas operações no shale, informou a Reuters nesta sexta-feira, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

Segundo o plano do CEO Michael Wirth, a reformulação da Chevron pode incluir uma unidade de shale independente, como as das rivais Exxon Mobil (NYSE:XOM) e BP (LON:BP). Em abril, a Exxon combinou sete de suas unidades de negócios em três para melhor coordenar a produção com seus negócios de logística e refino.

O shale, que não existia no portfólio da Chevron há 10 anos, representará cerca de 27% de sua produção total até 2023. A Chevron investe pesadamente na Bacia do Permiano, a principal área de shale dos EUA, mas ainda não obteve lucro. A empresa espera que o investimento comece a gerar caixa livre no próximo ano.

Sim, haverá muitas oportunidades para aproveitar o shale nas próximas semanas até a reunião da Opep de 5 a 6 de dezembro.

Calendário de energia para a semana

Segunda-feira, 25 de novembro

Estimativas de estoque de petróleo bruto da Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 26 de novembro

Relatório semanal do Instituto Americano de Petróleo sobre estoques de petróleo.

Quarta-feira, 27 de novembro

Relatório semanal da EIA sobre estoques de petróleo

Relatório semanal de gás natural da EIA

Quinta-feira, 28 de novembro

Feriado de Ação de Graças

Sexta-feira, 29 de novembro

Contagem semanal de sondas da Baker Hughes.

Retrospectiva de Metais Preciosos

Quando nada parecer claro, apenas espere. Esse parece ser o guia para os traders de ouro hoje em dia, pois as constantes negociações comerciais entre EUA e China enviam todo tipo de sinais conflitantes ao mercado.

O ouro teve uma semana mista depois que o presidente da China, Xi Jinping, disse que Pequim quer um acordo com os Estados Unidos, mas reagirá, se necessário, contra a ameaça de seu colega Donald Trump de que as importações chinesas enfrentarão mais impostos a partir de 15 de dezembro, se um acordo da fase um não for fechado até então. Trump, nos últimos comentários, disse que um acordo está "potencialmente muito próximo".

Os comerciantes de ouro tiveram uma semana desafiadora, tentando entender a direção da constante mudança no jogo comercial de EUA-China.

"Trabalhamos ativamente para tentar não ter uma guerra comercial. Não a iniciamos e isso, não é algo que queremos ", disse o presidente Xi em comentários a jornalistas do South China Morning Post.

Mas ele acrescentou que seu governo também pretendia "restaurar a dignidade e o status da China" e garantir que a história de ser invadida e governada pelas potências coloniais uma vez que "nunca mais se repetisse".

Os futuros do ouro para entrega em dezembro no COMEX de Nova York, fechou em US$ 1.463,60 por onça.O ouro Spot, que rastreia negociações ao vivo em barras de ouro, fechou em US$ 1.462,11. Na semana, os dois benchmarks mostraram um declínio modesto de cerca de 0,4%.