PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

05/12/2019 09h48

Hoje em Viena se iniciam os dois dias mais importantes do ano para o mercado de petróleo, enquanto isso o Japão lançou seu maior pacote de estímulo em três anos e a Arábia Saudita se prepara para fechar as contas sobre o IPO da empresa de petróleo Saudi Aramco.

São esperados mais dados de mercado de trabalho dos EUA antes da grande divulgação do relatório de folhas de pagamento não-agrícolas na sexta-feira, e a China chegando ao seu extremo nas negociações.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 5 de dezembro.

1. Shinzo Abe lança grande pacote de estímulo fiscal

O Japão lançou seu maior pacote de estímulo fiscal em três anos, na esperança de elevar uma economia afetada pela desaceleração chinesa, por uma guerra comercial com a Coreia do Sul, pelo aumento no imposto doméstico sobre consumo e, por último, tufões nos últimos 12 meses.

O pacote geral de medidas, de ¥ 13,2 trilhões de ienes (US$ 121 bilhões), foi maior que o esperado e representa cerca de 1,9% do produto interno bruto esperado nos 15 meses em que será distribuído.

As notícias deixaram o iene ligeiramente mais baixo em relação ao dólar, cotado a 108,96 às 8h15 (horário de Brasília).

2. Inicia-se hoje a reunião da OPEP

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se reúne hoje em Viena para estabelecer uma posição sobre se deve reduzir ainda mais sua produção no próximo ano para apoiar os preços mundiais. A reunião é um prelúdio para outra reunião com produtores não-OPEP (e o mais importante deles, a Rússia), amanhã.

A reunião de sexta-feira determinará o destino do chamado pacto da OPEP +, que deve expirar no final de março. Até agora, as reuniões bilaterais entre ministros não produziram um sentido real da direção do acordo. Enquanto alguns - especialmente o Iraque - conversaram sobre a possibilidade de aprofundar os cortes de produção existentes em mais 400.000 barris por dia, ninguém apoiou formalmente a ideia em público.

Os contratos futuros de petróleo bruto dos EUA subiam 0,1%, para US$ 58,52, enquanto a referência internacional Brent subia 0,5%, para US $ 63,33 por barril.

3. Ações orientadas para abrir em alta

As ações dos EUA devem abrir em alta, com questões de liquidez novamente superando os temores de uma guerra comercial contínua.

Às 8h15 da manhã (horário de Brasília), os futuros do Dow subiam 113 pontos, ou 0,4%, os futuros do S&P 500 também subiam 0,4% e os futuros do Nasdaq 100 subiam um pouco mais, 0,5%. O índice Nikkei também aumentou 0,5% durante a noite com o pacote de estímulo de Abe.

Há uma ampla gama de relatórios de resultados do setor de varejo, como a Dollar General (NYSE:DG), a Kroger (NYSE:KR), a Tiffany&Co e o grupo de cosméticos Ulta estão prontas para divulgar seus dados. A Slack Technologies pode ter um salto depois de subir 1,9% nas negociações pós pregão da quarta-feira, com base em uma perspectiva mais alta do que o esperado.

A Arábia Saudita também deve fechar as contas sobre a oferta pública inicial da Saudi Aramco.

4. Demissões anunciadas da Challenger, solicitações iniciais de seguro-desemprego

A pesquisa mensal de demissões anunciadas da Challenger e as solicitações semanais de seguro-desemprego ocupam lugar de destaque no calendário de dados da quinta-feira, um dia antes do relatório oficial definitivo do mercado de trabalho de novembro.

Os primeiros sinais, que saíram na quarta-feira, não foram bons: a avaliação da ADP de que apenas 67.000 empregos do setor privado foram criados no mês passado, sendo o mais fraco em seis meses, embora o componente de contratação da pesquisa não manufatureira do Institute for Supply Management tenha sido uma das partes mais robustas de uma pesquisa mais fraca que o esperado.

Também haverá relatório de pedidos de fábrica de outubro às 12h00. Eles fornecerão um contraponto interessante para outro conjunto de encomendas de fábrica decepcionantes fora da Alemanha, que apontaram para um quarto trimestre fraco, com uma queda de 0,4% no mês que levou a queda anual para 5,5%.

5. Impasse nas negociações sino-americanas

Há uma crescente insatisfação no ar nas conversas entre EUA e China sobre as negociações comerciais, com Pequim repetindo na quinta-feira que os EUA precisam cortar tarifas de importação como parte de um acordo de fase 1 com a China.

"O lado chinês acredita que, se os dois lados chegarem a um acordo na fase um, as tarifas devem ser reduzidas no acordo", informou a Reuters, segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Gao Feng, acrescentando que os dois lados mantêm uma comunicação direta, apesar do aborrecimento chinês pela intromissão dos EUA em elementos não comerciais, como direitos humanos e Hong Kong.

Agora, faltam apenas 10 dias para o início de uma nova rodada de tarifas nos EUA entrar em vigor, correspondendo cerca de US$ 156 bilhões em importações chinesas anualmente.