PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

19/12/2019 09h36

A Câmara dos EUA votou a favor do impeachment de Trump, Nike e Accenture divulgarão os balanços, enquanto as solicitações iniciais de seguro-desemprego, vendas de imóveis existentes e a pesquisa de manufatura do Fed da Filadélfia se somam a uma semana cheia de dados.

Os Bancos Centrais de todo o mundo realizam reuniões, com a autoridade monetária do Japão mantendo as taxas em -0,10%, da Suécia reforçando a política para escapar da armadilha das taxas de juros negativas e o da Inglaterra se perguntando como reagir à política do novo governo.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 19 de dezembro.

1. Votos na Câmara para impeachment de Trump

A Câmara dos Deputados votou no impeachment do presidente Donald Trump em uma votação que foi - como esperado - quase inteiramente de acordo com as linhas partidárias.

Trump agora enfrentará um julgamento no Senado, embora ainda não esteja claro quando. Os noticiários sugerem que a líder da Câmara, Nancy Pelosi, atrasará o envio dos artigos de impeachment ao Senado, na esperança de pressionar as principais testemunhas, como o ex-assessor de Segurança Nacional John Bolton. Bolton foi instruído por Trump a não testemunhar durante a investigação de impeachment da Câmara.

Pesquisas de opinião sugerem que a população está dividida igualmente entre aqueles que concordam com o impeachment e aqueles que discordam. No entanto, 75% dos entrevistados concordam que a pressão de Trump na Ucrânia para investigar o filho de Joe Biden estava errada e 48% dizem que definitivamente não votarão em Trump na eleição do próximo ano, segundo a CNBC.

2. Mercado de ações estável; resultados da Nike em foco

As ações dos EUA devem abrir novamente estáveis, devido ao clima pré-feriado se tornando cada vez mais aparente à medida que o final do ano se aproxima.

Às 8h25 (horário de Brasília), os futuros da Dow subiam 13 pontos, menos de 0,1%, enquanto os futuros do S&P 500 Futures e Nasdaq 100 estavam em baixa.

Solicitações semanais de seguro-desemprego, o índice de manufatura do Fed da Filadélfia e as vendas de imóveis existentes encabeçam o calendário de dados, enquanto Accenture, Darden Restaurants e ConAgra devem reportar lucros antes da abertura do pregão. A maior atualização do dia, no entanto, virá da Nike após o sino de encerramento.

3. Micron acredita na recuperação do mercado de chips de memória

A fabricante de chips Micron (NASDAQ: MU) anunciou que o trimestre atual provavelmente representará o final do ciclo atual de chips de memória, aumentando a esperança de que o setor esteja se recuperando depois de sofrer muito com a desaceleração da China neste ano.

As ações da Micron subiam 4,6%, atingindo uma alta de cinco meses nas negociações após o pregão, com o mercado olhando além de um quinto trimestre consecutivo de queda de receita de dois dígitos que prejudicou o lucro operacional.

Em outras partes do mundo dos chips, o Wall Street Journal informou que a Broadcom (NASDAQ: AVGO) está procurando vender uma de suas unidades de chips sem fio em um acordo que, segundo o WSJ, pode render US$ 10 bilhões. A empresa havia dito na semana passada que colocaria chips sem fio em uma base "independente" fora de suas operações principais

4. Banco da Inglaterra deve analisar desaceleração no final do ano

O Banco da Inglaterra realizou sua primeira reunião de política desde a eleição geral, seguida pela conferência de imprensa do governador Mark Carney, mantendo a taxa em 0,75% A atenção dos investidores estão voltadas como a autoridade monetária realiza uma série de leituras de dados extremamente fracas na última semana, que abrangem o mercado imobiliário, o setor de construção, a manufatura e, mais cedo na quinta-feira, as vendas no varejo.

Todos esses dados apontaram para que as empresas e os consumidores se tornassem mais pessimistas antes da eleição, contra um cenário de incerteza prolongada sobre a direção do Brexit.

5. A Suécia encerra seu experimento de juros negativos, mas outros bancos centrais ainda estão cortando

No entanto, já houve movimento em outras taxas do banco central na quinta-feira. O Riksbank da Suécia votou pelo fim de seu experimento com taxas de juros negativas, elevando sua taxa-chave de -0,25% para 0%, com o argumento de que a inflação estava próxima o suficiente para justificar o passo. O banco temia que taxas excessivamente baixas estivessem alimentando uma bolha imobiliária e o endividamento das famílias.

A Suécia segue a Noruega elevando as taxas este ano, mas esses dois são os destaques visíveis em uma tendência global que ainda é mais fácil para políticas. Espera-se que o Banco do México reduza sua taxa básica quando se reunir ainda na quinta-feira, uma medida possibilitada pela força sustentada do peso em relação ao dólar até agora este ano. Brasil, Rússia, Turquia e Índia também cortaram nas últimas duas semanas.

Enquanto isso, o Banco do Japão manteve sua política inalterada na reunião durante a noite.