Relatório do Instituto Global da McGraw Hill Financial define o caminho para as cidades tratarem da interseção entre urbanização e tendências de envelhecimento

McGraw Hill Financial Global Institute

Os dados abaixo são de responsabilidade das empresas envolvidas e não são produto jornalístico do UOL

NOVA YORK, 19 de janeiro de 2016 /PRNewswire/ -- O McGraw Hill Financial Global Institute (Instituto Global da McGraw Hill Financial) anunciou hoje o lançamento internacional do relatório Aging and Urbanization: Principles for Creating Sustainable, Growth-Oriented and Age-Friendly Cities (Envelhecimento e Urbanização: Princípios da criação de cidades sustentáveis, orientadas para o crescimento e amigas dos idosos), um relatório voltado para soluções criado em parceria com a Global Coalition on Aging (Coalizão Global sobre o Envelhecimento). O relatório examina a interseção entre duas tendências demográficas definitivas do século 21 – urbanização rápida e populações envelhecidas – e define um conjunto de princípios para promover a criação de cidades auto-sustentáveis que suportem residentes de todas as idades.

"Sabemos o bastante sobre envelhecimento para saber que ele não espera pela ação de nenhum governo", disse Paul Sheard, Economista Chefe Global e Chefe de Economia e Pesquisa Global da McGraw Hill Financial. "Essas mega tendências demográficas continuarão a mudar o mundo que conhecemos e tratá-las agora não irá somente melhorar a qualidade de vida onde vive um maior número de pessoas – mas também irá melhorar o desenvolvimento econômico e a competitividade global".

O relatório também inclui as descobertas de uma nova pesquisa, encomendada pelo Instituto Global da McGraw Hill Financial, para determinar as atitudes globais em relação a essas mudanças demográficas e como as cidades estão tratando do assunto. Dentre várias outras descobertas, os participantes de todo o mundo acreditam que seus governos estão investindo muito pouco em infraestrutura – tanto social quanto física – que as cidades necessitam para se adaptarem com sucesso à futura demografia da sua população.

As outras principais descobertas da pesquisa incluem:

Apesar de uma impressionante preocupação de que suas aposentadorias não irão sustentá-los adequadamente na medida em que envelhecem, os participantes não demonstraram confiança na sua capacidade de poupar dinheiro suficiente para complementar suas aposentadorias; Mais de noventa por cento dos participantes nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, China e Brasil acreditam que os governos deveriam investir mais recursos para assegurar a saúde, segurança e o bem-estar das populações idosas; Todos os participantes da pesquisa no Japão, Alemanha, China e Brasil identificaram o desenvolvimento da infraestrutura e dos transportes como suas principais preocupações; Os participantes na Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido identificaram a promoção e a acessibilidade para as pessoas "envelhecerem no local" como suas principais prioridades; Existe uma forte preocupação de que os governos não alocam recursos suficientes para os programas públicos de aposentadoria e saúde, apesar de a população global estar envelhecendo rapidamente. Até 2030, mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo terão 65 anos ou mais; e até 2050, quase dois terços da população mundial viverão em áreas urbanas, um aumento em relação a um pouco mais da metade nos dias atuais. Por toda América Latina, as despesas relacionadas com a idade estão crescendo mais rápido do que o PIB. Atualmente nos Estados Unidos, os custos com a saúde absorvem 18 por cento do PIB e espera-se que cresçam ainda mais. Conforme o relatório Aging and Urbanization, sem ação global conjunta as cidades de todo o mundo precisarão lidar com a falta de iniciativas e infraestrutura que tratam das grandes preocupações econômicas, de saúde e de transporte.

Em 2015, o Fórum Econômico Mundial estabeleceu seus "Age-Friendly Business Principles (Princípios Empresariais Amigos dos Idosos)" para demonstrar como essa demografia pode impulsionar o crescimento econômico. Com base no trabalho fundamental do FEM, da Organização Mundial de Saúde e outros, o relatório Aging and Urbanization identifica quatro princípios para orientar como as cidades podem canalizar seus investimentos em infraestrutura para assegurar a vitalidade econômica de suas comunidades urbanas:

Desenvolver infraestrutura e transporte que atenderão às necessidades dos cidadãos de todas as gerações; Moradia para permitir envelhecimento no local que promova a independência, escolha e liberdade; Acesso aos programas de saúde da comunidade com tecnologia inovadora e excelentes intervenções médicas; e Oportunidades de trabalho, educação, artes e lazer contínuas durante aquele ciclo de vida. No curto e médio prazos, o relatório identifica três ações imediatas que os setores público e privado podem tomar para construir cidades amigas dos idosos, com capacidade para acomodar as futuras gerações:

Desenvolver um caso econômico para o envelhecimento no local; Proporcionar oportunidades para a inovação; Criar incentivos para políticas entre gerações e investimentos. Para demonstrar o impacto positivo das cidades amigas dos idosos, o relatório Aging and Urbanization destaca várias iniciativas criadoras de padrões de cidades de todo o mundo. Desde a adoção de reformas amigas dos idosos na rede de transportes de Seul até a base de dados on-line de Nova York, que conecta os idosos com oportunidades educacionais gratuitas nas escolas locais, o relatório enfatiza exemplos de inovação que podem ser reproduzidos.

O relatório completo está disponível on-line aqui , e integra as principais descobertas de uma pesquisa global realizada com 6.077 pessoas com idades entre 18 e 65 anos em cidades médias, grandes e gigantes nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, China, Japão ou Brasil. (A pesquisa foi realizada por Edelman Berland, com coleta de dados entre 30 de novembro e 14 de dezembro de 2015, com margem de erro de +/- 3,07 por cento).

Contatos

Mídia de notícias:

Jacqueline Moran

202-383-2427

jacqueline.moran@mhfi.com

Sobre o McGraw Hill Financial Global Institute

O McGraw Hill Financial Global Institute enriquece os debates sobre as políticas públicas através de opiniões orientadas para o mercado.

Sobre a McGraw Hill Financial

A McGraw Hill Financial (NYSE: MHFI) é uma companhia líder de inteligência financeira, que fornece aos mercados globais de capital e commodities referências independentes, classificações de crédito, portfólio, soluções para os riscos empresariais e análises. As marcas reconhecidas da companhia incluem Standard & Poor's Ratings Services, S&P Capital IQ and SNL, S&P Dow Jones Indices, Platts, CRISIL e J.D. Power. A companhia tem aproximadamente 20.000 funcionários em 31 países. Outras informações estão disponíveis no endereço www.mhfi.com .

FONTE McGraw Hill Financial Global Institute

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos