Apesar da estagnação da produção científica do Japão durante a última década, o impacto das principais citações permanece forte: insight da Web of Science

Clarivate Analytics

Os dados abaixo são de responsabilidade das empresas envolvidas e não são produto jornalístico do UOL

A ciência da computação, a biologia molecular e a imunologia mostram os maiores declínios, mas pesquisas e pesquisadores de alto nível ainda existem em algumas especialidades

FILADÉLFIA, 23 de março de 2017 /PRNewswire/ -- Uma análise recente de dados da Web of Science™ da Clarivate Analytics, que analisou o desempenho da pesquisa do Japão durante a última década, mostra declínio acentuado na produção científica do país e fracasso em manter o mesmo ritmo de outras nações líderes. Essa descoberta foi relatada no Nature Index , que explora as consequências do atraso do desempenho do Japão e discute o que os formuladores de políticas governamentais e financiadores estão fazendo agora, na tentativa de reverter essa tendência descendente.

Em 2015, pesquisadores japoneses publicaram cerca de 600 artigos menos nas revistas de influência internacional indexadas na Web of Science do que em 2005. Embora a diminuição seja inferior a 1%, a participação do país nos artigos mundiais caiu de 8,4% para 5,2%. Com a aceleração do volume de publicações na China e na Coreia do Sul em revistas da Web of Science e com um índice de crescimento mais rápido do que países com bases científicas maduras, a participação mundial dos Estados Unidos, do Reino Unido, da Alemanha e do Japão pode diminuir, uma vez que a porcentagem da produção mundial é um jogo de soma zero.

"O Japão é um caso especial porque, em termos absolutos, também não está crescendo", diz David Pendlebury, analista sênior de citações da Clarivate Analytics. "Em 11 áreas, o Japão publicou menos artigos em 2015 do que em 2005. Na ciência dos materiais e engenharia, áreas historicamente fortes para o Japão, suas publicações diminuíram mais de 10%. Os declínios mais acentuados foram em bioquímica e biologia molecular, ciência da computação e, tradicionalmente, uma área forte para o Japão, a imunologia". A astronomia foi a única área em que o Japão superou a média.

Pendlebury observa, no entanto, que o Japão ainda tem muitos cientistas de alto nível, e a nação está na vanguarda de inúmeras especialidades, de áreas de ponta. "Há sempre diferentes histórias a serem encontradas sobre a atividade de pesquisa e desempenho quando os dados são avaliados a fundo; é como descascar uma cebola".

Por exemplo, dados do InCites™, uma ferramenta de análise que faz parte da Web of Science, mostram que, proporcionalmente, na produção do Japão, os artigos que se classificam entre os 10% superiores pelas citações foram constantes durante a última década. Artigos que se classificam nos primeiros 1% de impacto das citações, na verdade, aumentaram cerca de 25%. Até mesmo uma área como a imunologia, que teve produção reduzida em um terço nos últimos 10 anos, teve aumento da produção de artigos no grupo de 1% principais, proporcionalmente à sua produção, de 19% para 26% mais do que o esperado.

Pendlebury também cita exemplos específicos da elite científica do Japão: Susumu Kitagawa, da Universidade de Kyoto, que criou estruturas metálicas orgânicas flexíveis; Yoshinori Tokura, da Universidade de Tóquio, na vanguarda da pesquisa em multiferróicos e sistemas de elétrons fortemente correlacionados; e Masatake Haruta, da Universidade Metropolitana de Tóquio, um pioneiro na catalisação pelo ouro. "A Clarivate Analytics nomeou esses três – e outros do Japão – como homenageados da citação, pesquisadores cujas publicações têm sido tão citadas que se espera que possam estar de acordo com as honras do Nobel", diz ele.

"A análise cuidadosa dos dados de publicações e citações representa uma abordagem baseada em dados para a formulação de políticas e o financiamento da ciência, podendo ser uma estratégia essencial para lidar com as fraquezas e melhorar os pontos fortes", diz Pendlebury.

"Compreendemos como é importante usar dados exatos, imparciais e referências citadas, que revelam insights significativos no desempenho da pesquisa, na progressão de uma ideia ou de uma descoberta científica e da influência de ideias inovadoras com o tempo", disse Jessica Turner, chefe global de pesquisa científica e acadêmica da Clarivate Analytics. "Por mais de 50 anos, temos servido as comunidades de pesquisa científica e acadêmica, fornecendo dados confiáveis para citação, análise abrangente de citações, bem como mais de 30 anos de especialidade bibliométrica. Estamos satisfeitos que o Nature Index esteja usando nossos dados de citação da Web of Science e análises sob medida para revelar descobertas significativas em seu relatório especial sobre o Japão".

Saiba mais sobre a Web of Science .

Clarivate Analytics

A Clarivate™ Analytics acelera o ritmo da inovação, fornecendo informações e análises confiáveis a clientes em todo o mundo, permitindo que eles descubram, protejam e comercializem novas ideias mais rapidamente. Antiga Intellectual Property and Science, uma ramificação da Thomson Reuters, temos a propriedade e operamos diversos negócios baseados em assinatura que lideram o mercado, centrados em pesquisa científica e acadêmica, análise de patentes e padrões regulatórios, inteligência farmacêutica e biotecnológica, proteção de marcas comerciais, proteção de marca de domínio e gestão de propriedade intelectual. A Clarivate™ Analytics é agora uma empresa independente, com mais de 4.000 funcionários, operando em mais de 100 países, proprietária de marcas bem conhecidas, dentre elas, Web of Science™, Cortellis™, Thomson Innovation™, Derwent World Patents Index™, CompuMark™, MarkMonitor® e Techstreet™. Para obter mais informações, visite o site clarivate.com .

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/455613/clarivate_logo_for_press_release_Logo.jpg   

FONTE Clarivate Analytics

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos