IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Eike Batista negocia venda de porto para empresas estrangeiras

Pontes e píer do porto Sudeste, empreendimento que está em construção na Ilha da Madeira, Itaguaí (RJ) - Divulgação/MMX
Pontes e píer do porto Sudeste, empreendimento que está em construção na Ilha da Madeira, Itaguaí (RJ) Imagem: Divulgação/MMX

Do UOL, em São Paulo

10/09/2013 10h24Atualizada em 10/09/2013 12h41

A MMX (MMXM3) negocia a venda da operação e do controle do porto Sudeste, seu principal ativo, com as estrangeiras Trafigura e Mudabala, informou a mineradora de Eike Batista nesta terça-feira (10).  

As empresas devem emitir e subscrever novas ações da MMX Porto Sudeste pelo valor de US$ 400 milhões, e vão assumir todas as dívidas bancárias da MMX Sudeste Mineração.

O empresário fechou um acordo preliminar para negociar exclusivamente com a Trafigura, trading de commodity holandesa, e a Mubadala, fundo de investimentos de Abu Dhabi, pelas próximas quatro semanas.

Concluído o negócio, Trafigura e Mubadala terão, juntas, 65% da MMX Porto Sudeste. O porto, no litoral do Rio de Janeiro, é considerado um dos ativos mais valiosos entre as empresas do grupo EBX, de Eike.

O terminal deverá ter capacidade de movimentar 50 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, com a conclusão da primeira fase de obras em meados de 2014. Há um plano de expansão de sua capacidade de movimentação para 100 milhões de tonelada por ano.

Empresas brasileiras estavam de olho em porto

Empresas brasileiras negociavam a compra do porto Sudeste, segundo rumores de mercado.

O movimento tentaria evitar que o porto caia em mãos de gigantes estrangeiras, como a holandesa Trafigura, com as quais a MMX já havia confirmado negociações à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Entre as empresas interessados no porto estavam: CSN, Gerdau, Usiminas e a mineradora Vale. A Gerdau negou interesse.

Com um porto no país, essas empresas teriam mais poder para influenciar o mercado de minério de ferro no Brasil, com eventuais efeitos negativos para os grupos nacionais.

(Com Reuters)