Bolsas

Câmbio

Em crise, fabricante de celulares BlackBerry é vendida por US$ 4,7 bi

Do UOL, em São Paulo

  • Mark Blinch/Reuters

Um consórcio liderado pela empresa de investimentos canadense Fairfax Financial Holdings ofereceu comprar a BlackBerry, também do Canadá, por US$ 4,7 bilhões. Em comunicado divulgado nesta segunda-feira (23), a fabricante de smartphones revelou que uma carta de intenções foi assinada entre as partes.

O valor seria pago em dinheiro pela Fairfax, e a empresa sairia da Bolsa de Valores. 

De acordo com a BlackBerry, a firma de investimentos solicitou seis semanas para realizar a auditoria necessária e decidir quanto à aquisição -até o prazo máximo de 4 de novembro. A venda também depende de a Fairfax obter financiamento. Nesse período, a BlackBerry também pode buscar quem pague mais pelo negócio.

A Fairfax já detém aproximadamente 10% do capital social da empresa. Um comunicado da BlackBerry não cita os membros do consórcio, apesar de muitas pessoas do mercado afirmarem que fundos de pensão canadenses devem ser participantes.
 
A BlackBerry está à venda desde agosto, após alguns anos enfrentando dificuldades. Anteriormente conhecida como Research In Motion (RIM), a companhia entrou tarde no mercado de smartphones com tela sensível ao toque, e perdeu participação de mercado para o iPhone da Apple e para os aparelhos que usam o sistema operacional do Google, o Android.

Na sexta-feira (20), a empresa divulgou que deve ter um prejuízo operacional de quase US$ 1 bilhão no trimestre encerrado em 31 de agosto, e anunciou um corte de um terço de seus funcionários. O motivo: vendas mais fracas que o esperado.

Empresa já foi líder, agora luta contra Apple e Samsung

A BlackBerry, com sede em Waterloo, Ontário (Canadá), foi pioneira no acesso a emails pelo celular, e por anos teve seu aparelho como artigo obrigatório entre membros de governos, executivos e advogados.

Ela ainda tem uma base de clientes substancial, de 72 milhões de usuários em todo o mundo no final de junho, apesar do número ter diminuído ante os 76 milhões de clientes três meses antes.

A BlackBerry tem lutado desde que o iPhone, da Apple, e os telefones Galaxy, da Samsung, avançaram para dominar um mercado que antes era seu.

A canadense apostou forte que o smartphone Z10, o primeiro baseado em seu novo sistema operacional BlackBerry 10, iria ajudá-la a recuperar um pouco do brilho que detinha quando os usuários destes dispositivos eram em sua maioria advogados, banqueiros e políticos. Mas a aposta ainda não vingou.

Estimativas de Kaushal, da GMP, apontam que quase 3 milhões dos últimos aparelhos BlackBerry 10 estão juntando em distribuidoras que não conseguiram vendê-los.

Para o segundo trimestre fiscal, a empresa disse que espera vendas de 3,7 milhões de smartphones BlackBerry para os usuários finais.

(Com AFP, Reuters e Valor)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos